segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Porque paramos de nos olhar...

APERTE O PLAY...



   Minha mania de ouvir músicas no YouTube durante o trabalho, hoje me encheu os olhos... Sim de suor, ou lágrimas para traduzir…
Entre uma música e outra propagandas acontecem, e geralmente não as assisto, mas hoje vi uma até o final...

O Boticário colocou 3 casais que passavam pelo processo do divórcio para falarem sobre os motivos do fim. E foi dito sobre o olhar do início e o parar de olhar do final.... Terminei o que me competia fazer no trabalho e CÁ estou eu escrevendo… E concluo que:

          Seria bom se as pessoas não parassem de se olhar, mas não esses olhares superficiais que temos sobre o mundo, as coisas, as pessoas.... Esse e um olhar ralo que deixa de ser revelador e atrativo com o tempo... eu falo daquele olhar esmiuçador, atento e capaz de notar detalhes que nos revelam o humor, a omissão, as imperfeições. Mas ainda assim nos faz querer estar ali mesmo com a transformação do novo em rotina, mas ainda assim nos olharmos e vermos nos mesmos refletidos no brilho dos olhos ou na ausência deles....

       Eu sou uma defensora da rotina, vejo brilho nela, brilho no habitual, sabe não conformo com a história de que as coisas se perdem na rotina, não mesmo ... Nós e que perdemos o interesse, naquilo que vai ganhando formas que nós mesmos damos... Sim sentimentos não são garantias. E isso deveria ser um motivo a mais pra permanecermos, quando a agitação do primeiro amor passa, quando o amor deixa de explodir no corpo ao estarem juntos, quando a conversa já não provoca risos, quando o segurar a mão e entrelaçar de dedos torna se o "cada um no seu espaço..." não significa que o amor ou o relacionamento acabou, significa apenas que estamos míopes e precisamos de óculos e talvez lentes novas, que nos ajude a ver o outro e o relacionamento construído por outro ângulo, sim em meio a rotina da pra perceber o cuidado da esposa que faz sempre a mesma coisa todos os dias, se empenhando em cuidar de tudo na casa e quando se tem filhos então kkkk, ou ainda o marido que chega com os mesmos hábitos que insiste em não deixar,  as roupas espalhadas na casa, a toalha molhada na cama, o futebol com os amigos....

       Não, não estou vendo a vida como um conto de fadas, só estou afirmando que após a construção de uma vida juntos, de barrigas e gorduras adquiridas juntas, natal, aniversário e ano novo juntos e normal que aquilo se deteriore por que sempre precisamos do frio na barriga, sempre precisamos de mais, de experiências novas, talvez seja daí as traições, o corpo do outro, o toque deixa de ser interessante, o beijo perde o sabor não e mais gostoso, não dá prazer... A indisposição torna-se motivo de perder o interesse, o caráter, o reconhecimento do que foi vivido juntos.... Optamos pelo rápido, prático e fácil.... Como é possível procurar em outros corpos o que por tempos já foi bom em um????

    Esse vídeo do O Boticário transformou essas 3 mulheres para o dia do divórcio, cabelo, maquiagem, roupa adequada, elegante... E é notório o susto que os ex maridos levaram.... É como se a mulher deles  a namorada do início do namoro estivesse ali novamente, atraente de novo, linda de novo, chamativa....

Não é a rotina que estraga os relacionamentos, é a incapacidade humana de amar o ordinário (no sentido de comum), e o desinteresse e a escolha de não ficar mais, Saramago estava certo  QUANDO ROMEU CONHECE JULIETA DE PERTO, DE VERDADE É DIFÍCIL MANTER O MESMO INTERESSE,  é difícil desejar a TPM, o descabelar do acordar de cara amassada, o humor, as meias e roupas pelo chão, a toalha molhada que insiste em ser esquecida na cama, as louças que estão sempre sendo sujadas com uma velocidades incrivelmente superior à que costumam ser limpas, o futebol, a barriga que cresce a ruga que aparece... Sim Flávio Siqueira também estava certo isso tudo é a complexidade da aproximação.... Mas devemos admitir que escolher diariamente não perder o que nos aproxima do outro, mesmo na rotina torna real o amor.... É uma questão de escolher amar a rotina, é uma questão de honra renovar as lentes e os votos cada vez que algo não está legal... Mas é questão de sabedoria ter em mente que nós e quem determinamos o tempo do PRA SEMPRE.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

No silêncio me pega no seu colo de amor

Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem.
 Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó.
Salmos 103.13-14

Sobretudo, hoje posso afirmar que Deus habita no silêncio...
No silêncio quando todos se vão, e ficam apenas eu, Ele e um turbilhão de sensações, então... Ele resolve se deixar ser encontrado, eu vou como estou, levando a Ele minhas dores,apertos, raivas e medos, e Ele.... Ele para tudo e se deixa ser mais, bem mais que o curador das minhas dores, ele me faz crer que não mais as levarei, aceitar a cruz é abrir mão dos cravos!
O irônico, é que na verdade não é o mundo que se silencia, mas eu quem calo em mim o mundo, e me calo em meio ao mundo. Um silenciar que torna-se vital, um plano de fuga que te ajuda a resolver as desordens...
 Tenho aprendido que Cristo é a descrição mais exata de equilíbrio, metafóricamente falando,Ele te desequilibra, para te equilibrar...
Meus extremos por vezes buscam atitudes conciliadoras da ordem interna com a externa, minha rigidez com Ele deixa de ser inflexível, no silêncio quando todo se vão....
As vezes a vida é como estar em um carro correndo a...120... 130... 150... 200 km por hora a paisagem ao redor passa rápido demais, e tornam -se borrões, aparecemos conhecer a estrada pois, mesmo com a mente em outro lugar permanecemos ali, correndo mesmo sem atenção ao que fazemos... Mas então notamos que não há mais ninguém ali conosco em nossa corrida desenfreadas, somos silêncio, pensamentos e uma estrada... E é exatamente aqui que encontramos Deus...
E quando todos se vão, quando o barulho da lugar ao silêncio, quando a solidão aperta que Deus nos pega em seu colo de amor... Não e metáfora dizer que o colo de Deus só é encontrado no meio da solidão, afastar o mundo, ir para o jardim secreto, Deus que é infinito em perfeição está na calmaria, no desacelerar, ele segura nossas mãos, nos pega no colo e nos faz ir a toda pleniture de calmaria que só se é encontrada nele, e é ali nessa abundante calmaria de um colo de amor que podemos descansae e viver bem tranquilos, como criança que é girada no ar, confiantes de que o NOSSO PAI não nos deixará cair... 
Alguns levam um tempo maior para entenderem que é Deus quem nos mantém seguros quando a celocidade que corremos faz a paisagem conhecida se tornar borroes que desconhecemos, Ele está na nossa agitação enviando sinais para prender nossa atenção e assim nos aquietarmos, mas preferimos os ponteiros marcando uma velocidade alta demais, mas que se comparadas aos nossos pensamentos, não são nada...
Mas Deus o pai bondoso sabe que chegará um momento em que precisaremos reduzir a marcha e pararmos, e Ele espera pacientemente pelo momento que silenciaremos todo o resto, e quando pensamos que o mundo se esqueceu de nós, quando olhamos pra trás e notamos a ausência de marcas para voltar ao lugar de origem, batemos de frente com seu majestoso amor e passamos a entender que este caminho até Ele está sempre aberto, para nos encontramos, para o encontrarmos,  Deus sabe rs... Apenas sabe, Ele sempre sabe, que voltaremos, ele simplesmente sabe  dos nossos limites e está lá no ponto final de nossa força humana, esperando por nós... 
MAS ELE TAMBÉM NOS DEIXA SABER QUE NÃO TEMOS OUTRO BEM ALÉM DO SEU COLO E CORAÇÃO PARTERNO,ELE SEMPRE E PRA SEMPE TERÁ MÃOS LIMPAS, CORAÇÃO PURO E UM COLO DE AMOR PARA NOS ENTREGAR, QUANDO SILENCIOSAMENTE ENTRAMOS NOS SEGREDOS DO JARDIM SECRETO....

terça-feira, 3 de novembro de 2015

O amor das noites em que não durmo...

Existem noites em que não durmo,SIM simplesmente não durmo, minha mente vaga por toda agitação que parece ser dela, agitação essa que em partes me move, em outras….
Eu não sei ao certo o que busco, mas sei que existe um amor que nos faz ser mais e não menos, e que consegue nos devolver em meio a tudo que nos rouba, é como a agitação, primeiro ela te faz pensar em mil coisas, te movimenta, te tira do lugar, te faz questionar o até aqui, te faz sonhar com o improvável e amar as possibilidades do impossível...
E ele existe, sim, mas, precisamos crer bem mais que profundo para que só então esse amor se torne capaz de encontrar-nos em qualquer lugar do mundo... até mesmo na superficialidade dos sentimentos humanos de jurar eternidades a quem fazemos ser passageiros, esse amor escolhe ser estar e apesar do que o olho vê, É QUE OLHOS TAMBÉM MENTEM E ESCONDEM SEGREDOS e A BOCA REVELA SEGREDO DO QUAL O CORAÇÃO TA CHEIO....
Mas existe um outro tipo de amor, real e não de conto de fadas onde erros revelam que não se formam de metades, mas de inteiros a transbordar- se... Esse amor existe, é real, mas corre o risco de te ferir, mas ainda assim vale a pena esperar por ele! Como sei? O provei, vi e vivi e espero que seja por esse amor que por madrugadas a fio meu coração não dorme e não descansa, e traz em claros olhos o dia e gritos de euforia, euforia dessa busca de entender se enquanto espero, aprendo a ser feliz comigo, a fazer com que a convivência comigo seja agradável...
E volto a repetir: O mundo dita e vive a superficialidade, chama de eterno o finito... e no meio de cada promessa de “pra sempre”, esquecem se que o “ pra sempre” sempre acaba, esquecem-se  do aqui, agora, já... Esquecemos que o “ pra sempre” é agora... por isso não faça planos longos para forças curtas e medianas, mas viva o pra sempre em cada momento, sim aproveite o que tem hoje... espere por esse amor, não aceite nada menos que ele, lute por encontra-lo, procure-o mas tenha em mente que só o encontramos após olharmos com calma o defeito exposto e oculto e ainda sim escolhermos dia após dia ficar, dia após dia e amar novamente cada centímetro do outro....

    E assim chegaremos ao outro lado da agitação que é quando você acha paz pra morar no peito de quem se faz ninho, quando em meio ao turbilhão de sons você é simplesmente capaz de escutar o ritmo de um coração que se faz um com o seu, quando as mãos que há tempos atrás não te amparavam se fazem suas, quando chega dar medo quando o sotaque te acalma e surpreende por conhecer os segredos do seu coração... ele não te muda, não requer benefícios egoístas, mas te pega no colo e te leva ao equilíbrio de toda agitação. Lembre-se o amor é o equilíbrio da agitação. É esse o amor das noites em que não durmo, que só equilibra meu coração de sua agitação.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O que eu poderia falar

Eu poderia falar das noites em que beiro  a loucura, mas falarei da falta, da saudade do que não  se vive mais, sim é possível sentirmos saudades do que não houve tempo pra viver, mas mesmo quando me sinto bussola sem norte perdida em minha sorte, quando me olho no espelho e já não me identifico mais, percebo que não importa o tempo que passar você sempre estará na minha identidade, e tentarei nos filhos que futuramente terei, achar vestígios de você. olhos, boca, mãos, pé e o cabelo no qual me perdia a desejar.

    Eu já quis ser você, quis te entender e poderia perder a vontade de viver, mas prefiro ter em mente que quanto mais vivo mais sinais teus acho em mim, nas minhas canções você ainda está. não há dor, sei que está em um lugar melhor e bem lá no fundo, quando não admito, sou feliz por saber que está nos braços de um Deus que te Criou pra ser meu... meu coração tem paz na maior parte dos dias, coisas tolas me lembram você, teu sorriso vem me lembrar de viver.

Eu poderia falar da partida rápida, precoce, inesperada, mas encho a boca para falar do menino incrível que era, sempre pronto  ajudar, sempre pronto pra qualquer festa, sempre arteiro, abrirei minha boca para falar das suas peraltices, de como colocava fogo em tudo que via, do quanto vivia machucado e do quando não ligava para isso, cicatrizes sempre foram testemunhos expostos não é mesmo?

    Hoje  encontrei tua foto em minhas coisas, sempre os mesmos olhos, mesmo sorriso, mas eras tão pequeno e eu até poderia falar da ilusão dos dias em que eu me pego esperando o teu dedo no meu nariz ou dos que paro e procuro o em meio a todos os outros barulhos, tua respiração ou o motor de sua moto barulhenta guerreira... e não é que tudo em sua vida se tratou de uma guerra, entre ser e viver, entre o que o povo falava e o que  só você sabia...

     Sim eu também poderia falar do quanto faz falta, do quanto a vida é meio incompleta sem você, ou da sua desorganização, eu poderia falar do quando te perder foi o dia mais cinza da minha vida, do quanto o frio na barriga e a ansiedade a cada festa na cidade faz falta, poderia parecer triste, sim poderia dizer que tudo é meio vermelho sem você, mas prefiro lembrar-me a cada madrugada de como te ter por 22 anos foi como dirigir um Massarati em alta velocidade , em plena contra mão, eu poderia parar, mas você ter me ensinado que AMANHÃ É OUTRO DIA TORNA CADA COISA AQUI MAIS INTENSA,
POIS EU ENTENDI QUE POSSO DIZER QUE AMAR VOCÊ É AZUL VIVO, EM NUANCES INFINITAS, não trocaria seus 22 anos por uma vida sem sua existência...
 E eu poderia falar da dor de em vão te esperar, MAS APRENDI QUE SOU FORTE PRA LUTAR!

terça-feira, 15 de setembro de 2015

2.5 com flores....

Eu  demorei propositalmente a escrever sobre a chegada dos 2.5 (caraca que sonancia  forte!) mas... Então, mais um ano se findou e outro se iniciou, acordei e tinha 25, e acredite não foi de repente, passei por um longo caminho pra chegar até aqui. Mas um ano se iniciou e tudo de intragável que passei fica junto com a idade a qual ela pertence,pois este ano iniciou com flores, mas não flores quaisquer, foi uma orquídea  outro nível de flores kkk, mas uma orquídea pra me lembrar que a aparente fragilidade revela uma força que poucos conhecem, eu sou como uma orquídea, aparento fragilidade, mas chegue mais perto e descubra se sou sempre assim.....
Como as orquídeas, os cuidados que meu ser exige não são imensos, mas são cautelosos, trata-se especificamente de equilibrio.....
água em moderação, adubo a determidano prazo, e sol...Água para lembrar-me que Jesus é o que me saceia independente do tamanho da sequidão, adubo é aquilo que me prepara para a ausência de seja lá o que for, me prepara para crescer, para voltar a florir, e sol para me aquecer e me mostrar que por mais longa que seja a noite  o sol volta,sol é calor que amigos trazem.
25 chegou com verdades, simples, mas verdades sempre farão um bem maior do que as mentiras que me contam, ouvir-me e conhecer -me me fortaleca contra as pragas que se levantarem... a verdade se fez carne e me norteia, e clareia minha visão para seguir. Sem Deus sou apenas bússola sem norte... Descobri que se 24 é a idade dos poucos amigos, 25 é a dos verdadeiros, dos que te amam apesar, como e independente de quem você é. Muitos se revelarão e desses muitos, vais notar que alguns estão ao teu lado por pura conveniência, mas outros porquê simplesmente escolhem estar ali, escolhem te surpreender com o que você nunca espera, apenas para que você saiba que é amada, que eles não precisarão de muito pra te arrancar um sorriso e aquietar a alma, na verdade querer teu bem vai parecer um capricho para eles...
25, que geralmente é marcado pela descoberta de que essa história de que não envelhecemos e sim amadurecemos é meio conto da caroxinha.
Sim envelhecemos e Sim amadurecemos. Mas amadurecer e envelhecer são dois extremos da vida humana, enquanto envelhecer é uma ordem natural, amadurecer é opção.
Em determinados dias do  ano que se foi tive que escolher entre parar e seguir, me abater ou sorrir e caminhar, essas escolhas me trouxeram um coração livre de expectativas e me fez concentrar na realidade que agora tenho...Não quero esperar por muito, não quero criar expectativas, mas quero surpreender-me, quero apostar minhas ficha no que tiver naquele momento. Cansei de promessas quebradas, de amores descomprometidos, metade deles foram de meia boca, metade deles não entenderam que o adeus de quem jurou pra sempre amar e devastador.... 
Hoje aprendi com alguém que celebrou minha existência em sua vida com flor, mas não uma flor qualquer, que eu não preciso de um "pra sempre" ao lado de ninguém, preciso de um "INFINITO ENQUANTO DURE", preciso de um aqui e agora 
bem vividos, preciso me dedicar intensamente, preciso aceitar que terei meu coração ferido, mesmo por quem diz me amar, preciso aceitar as diferenças e ter em mente que jeitos e trejeitos,carácter e personalidade são variáveis e variantes, conviver, com o outro é uma viagem onde o ticket de embarque é a vontade  de fazer o outro no momento em que o temos saber e ser convencido do quando apesar de defeitos ele é amado como é... Parece morbido de tão clichê , mas é uma aventura vem ver e no final terás em 25 anos, 25 motivos para agradecer por ser você...
Quanto as flores, bens duráveis.... As aceitei de bom grado para que elas possam me dizer o que não posso esquecer, tenho que oferecer flores em vida enquanto eu viver....

sábado, 29 de agosto de 2015

O COMEÇO DO ADEUS....

Aprendi com 2.4 que não preciso necessariamente ser um gênio para entender a frase de Millôr Fernandes que diz “Qualquer idiota consegue ser jovem, é preciso muito talento para envelhecer. ” Sim é preciso talento para amadurecer à medida que envelhece, essa frase se torna cada vez mais verdadeira a medida que vivo, envelhecer traz consigo lições que carregaremos para vida inteirinha. O bom é que o tempo não volta, e as dores passadas te preparam para as futuras...
                Meus 24 anos foram dias de perdas irreparáveis, perdas que mudaram quem eu costumava ser, que mudou meu ritmo, minha frequência, me ensinou a depender literalmente de Deus. Meus 24 anos já começou intragável, acordei uma madrugada com a notícia de um grave acidente com meu irmão, amanheci o dia arrumando as coisas para o reconhecer em um IML (Instituto Médico Legal), arrumei forças de não sei onde no momento de olhar para ele sem vida. E no mesmo momento em que disse ao médico legista “–Sim é Ele! ” Perdi o chão sobre meus pés me faltou ar pra respirar, passei horas de uma angustia tamanha que nunca terei palavras que mensurem o que senti, o vazio, a perda, a revolta, a angustia, a dor, o medo, a incerteza do que viria, de como seria. Meu irmão... o único, tinha feito 22 anos em uma sexta para perder a vida dois dias depois, simples assim amanheci no domingo e de repente tinha me tornado filha única, e seria um longo caminho desde então...
Foram dias de ver de pertinho duas verdades 1 EU SERIA AMPARADA, CUIDADA E AMADA POR DEUS E POR ALGUNS AMIGOS E 2 EU ME DECEPCIONARIA COM ALGUNS QUE PENSEI SEREREM MEUS AMIGOS... Recebi abraços silenciosos, mas que para mim disseram tanto e que se tornaram tudo o que preciso e procuro hoje quando tenho medo, alguém segurou minha mão o tempo todo da minha angustia, enquanto eu estava lá imóvel e sem reação, ela me botou pra dormir e ficou lá até se certificar de que eu estava mesmo dormindo...  E pude então entender que eu teria sempre apoio, entendi que quando você é amada por alguém ela se levanta da sua cama as 3 da manhã pra te ajudar, FAZ QUESTÃO DE SER ELA A PESSOA A TE DAR A PIOR NOTICIA DA SUA vida e não te larga mais, e te liga a cada meia hora com um “ amiga você já comeu? O que comeu? Quanto comeu? ”, “Amiga já conseguiu dormir um pouquinho? Dorme um pouquinho você ainda tem uma longa batalha pela frente! ”, “ Amiga você tá tomando agua? ”. Mas também notei que existem pessoas que só estarão ao meu lado quando elas precisarem, mas vão sumir quando eu precisar, as ligações de horas darão lugar ao “DEIXE SEU RECADO APÓS O SINAL...”
O coração do meu irmão havia se silenciado, sofri muito, por vezes calada, não dormi por muitas vezes, em outras noites ACORDEI CAMINHANDO PELA CASA PROCURANDO ALGUÉM QUE JÁ NÃO ESTAVA MAIS ALI, mas o cheiro, a voz ainda estava. E até hoje a casa e os móveis ainda exalam a  sua presença, chorei sozinha e me senti completamente sozinha nessas noites de choro em claro e procura em vão, mas vi JESUS CAMINHAR COMIGO e consolar meu coração cada uma das vezes que a dor, a raiva, a ira, o medo, a revolta, a incerteza, a ausência e  todo o misto de sentimentos invadiam minha mente, desejei por vezes esfriar a cabeça em uma montanha de neve, mas duas crianças lindas  se encarregaram de me fazer esfriar a cabeça e sorrir , me sentia e  me sinto curada cada vez que ouço de um anjo de olhos azuis me chamar de TITIA VENESSA! Isaque, como seu próprio nome diz, por vezes me encheu de riso quando não havia motivo para meu riso,   e cada vez que um par de olhos verdes com nome de profeta me olhava e sorria, meu coração se aquecia, sim o Davi é pequeno e não sabe falar, mas ele fala tanto ao meu coração a cada palavra que ele ainda não sabe dizer, sim perdi um irmão mas descobri que amigos são irmãos que escolhemos e que te empresta os filhos e te faz tia e nada nem ninguém pode dizer o contrário, então só fui TIA na minha dor e meus sobrinhos me tiravam dela e eu voltava a sorrir...  E quando meus 24 pareciam ser compreensível aos meus olhos, me vi tento que entrar de férias forçadas e não planejadas, entrando em um ônibus sozinha e com medo durante toda a madrugada para ir ver minha vó, e novamente me vi caminhando sobre o vale da sombra da morte, mas mesmo em meio ao vale da sombra da morte quando o câncer da minha vó vencia a batalha eu arranquei dela risos, segurei suas mãos minutos antes e orei com ela, com uma força e calmaria sobre-humana então a vi parti...
Hoje os 24 se preparam para seus minutos finais, e eu olho para tudo que me sobreveio e a única coisa que sei é que aprendi enfim APRENDI A FAZER DOS LIMÕES BOAS LIMONADAS, hoje sei que as pessoas simplesmente vão embora da minha vida quando querem ou quando chega a horas delas irem, é a vida! E sim vai doer muito mas isso me leva a um próximo item, TODA DOR POR PIOR QUE SEJA também vai embora, mas isso me leva a uma conclusão mais linda que a anterior:  CERTOS AMORES PODEM DURAR PRA SEMPRE MESMO QUE ELES ACABEM, ENQUANTO OUTROS DURAM UMA NOITE APENAS MAS SE TORNAM INCRIVEIS NA MESMA MEDIDA, E TUDO É DEFINIDO PELO TANTO QUE ME ENTREGO E RECEBO DESSES AMORES. Aprendi com 24 que ter um diploma não é garantia de nada, nem do meu futuro, nem mesmo que eu vá seguir a carreira que o diploma me assegura, aprendi que o autoconhecimento é uma das coisas mais importantes que posso adquirir, logo sou eu quem escrevo e escolho meu destino

Logo mais terei 25 e de todo medo que isso me dá, também existe uma parte de mim empolgada com o futuro, meus amigos são sim minha nova família e farão parte de todo os grandes momentos da minha vida, e no final não existe sensação melhor do que envelhecer sabendo que estou buscando minha felicidade e de quem amo. Eu teria muitos motivos para reclamar, mas aprendi que murmuração só nos atrasa. Já um coração grato é capaz de alimentar a alma mais ferida. Por isso, obrigada, meu Deus! Foi um ano diferente de tudo que planejei, mas era exatamente do que eu precisava. Por isso dou graças. Que venha meus 25 anos.

domingo, 9 de agosto de 2015

Preciso e mereço alguém que some e não suma



O tempo passa e cada vez mais estou certa do que eu quero e arrisco dizer que estou certa do que mereço, dizem que a idade nos deixa mais exigente, principalmente nós mulheres, eu discordo e ouso afirmar que ela, a idade apenas traz consigo certezas. E hoje, hoje eu sei que mereço alguém que não me dê muitas alternativas, minha indecisão não merece alguém que não saiba o que quer, eu mereço certezas, mereço alguém que tenha em mente os lugares em que quer me levar, sem ter que ouvir sempre:

-AMOR ONDE VOCÊ QUER IR HOJE?
 Preciso ouvir: 
-PENSEI EM TE LEVAR A TAL LUGAR O QUE ACHA?

       Preciso de diálogo, pois existe dias em que meu corpo pede colo e não sexo, em dias assim preciso de pijama e filme, bem mais que me sentir sexualmente desejada, é nestes dias que minha sinceridade, grita, pede, merece e exige alguém que seja tão sincero quanto eu, alguém que seja inteiro e sem limites, pois sou composta de extremos e urgências, então mereço alguém que se entregue por inteiro e esteja comigo sem reservas, dias ou horas marcadas, não sou mulher de desejar metades, nem mesmo de laranja, pois sei que vou querer e precisar de mais que uns amassos de vez enquanto, e entendi rápido com minhas meias relações  que não conseguirei extrair o mais que busco de relações meia boca. 

  Mereço alguém que me reserve o olhar, o tempo, o melhor sorriso, o abraço a vida, alguém que aceite minha rotina e minha mente por vezes tão bagunçada, alguém que aceite que os filhos das minhas amigas são sobrinhos, logo entenda minha necessidade de estar perto deles.
Mereço alguém que não me abandone no meio de uma conversa, mas que permaneça e me olhe nos olhos até que eu perceba que é hora de encerrar o assunto, mereço alguém que se abra comigo e me diga o que pensa, sem medo de começar uma briga, discutir afia as diferenças, e sempre chegará a hora boa de fazer as pazes.

  Mereço alguém ciente de que amar não é obrigação tão pouco prisão ou mesmo exigência, amar é prazer libertador, que entenda que zelo é importante, mas não dá certo quando um se entende dono do outro, que tenha noção de que amor não se acaba com erros, mas com ausência de coragem de corrigi-los.

    Mereço alguém que entenda que cumplicidade, não está no quanto se dá certo na hora da transa, mas no quanto podemos confiar um no outro. Alguém que justifique seus atrasos, ainda que seja em função de ter ficado um pouco mais  após a pelada com os amigos, alguém que não pire com minhas crises de ansiedade, que entenda que minhas insônias virão acompanhadas de horas em frente a TV ou escrevendo. 
  
Alguém que me dê livros e não buquê de flores, mereço alguém que entenda que as vezes será preciso que ele me tire da cama e me leve de volta ao mundo e aos amigos, que entenda que odeio acordar cedo, que vou funcionar apenas horas depois de acordar, que sempre gosto de chá com duas colheres de açúcar e que o cheiro do café me embrulha o estômago, alguém que entenda que preciso de abraço, mas que respeite o fato de que nem sempre estarei receptiva a eles, que saiba que também preciso me isolar na caverna, mas nem sempre terei tempo suficiente para chegar nela, eu mereço alguém que entenda que estaremos propicio a nos ferirmos, mas feridas merecem tratamento e não esquecimento.

  Mereço alguém que entenda que vou conferir se tranquei a porta, desliguei o fogo, mas que também sou distraída e posso esquecer de os fazer, que entenda meus surtos de preocupações, e mania de perfeccionismo daqueles que guarda os copos por tamanhos, cores e detalhes, que me lembre de não me exigir demais, de afrouxar a mão da garganta e respirar. 

  Mereço alguém que compartilhe comigo seu dia, não só quando ele precisar de ombro amigo, e esteja certo que sou companheira de vida e não psicóloga de plantão! Alguém que queira ficar, e me faça entender que posso até ser o porto seguro de várias pessoas , mas que também tenho um porto pra me desarmar, quebrar e ter medo, que não preciso ser sempre forte...

   Preciso, quero e sei que mereço alguém some e não suma, que fique, sem eu ter que pedir e não desapareça, que sorria se eu disser bobagem, e me faça rir sem me preocupar.
Quero de novo alguém cujo sorriso me faça esquecer dos problemas, que me faça ter vontade de voltar pra casa feliz, mesmo que o dia tenha sido uma droga, consciente de que terei, colo, afago, e sexo também seja ele tímido ou sem pudor...

   Mereço alguém que me dê mais certezas que perguntas, que não espalhe roupas pela casa, a não ser que as minhas também estejam juntas, e que me faça sorrir ao recordar- me bem detalhadamente do motivo que as fizeram estar ali quando eu for recolhe-las, mereço alguém que adie a hora de ir e prolongue a de ficar, que fique, hoje, agora e amanhã depois que a saudade passar,  que me procure sem medo, fora de hora e de lugar... Que fique ao meu lado, mesmo se eu mandar ele ir pastar...

   Mereço alguém que me mande bilhetinhos ousados no trabalho, que deixe o vinho preparado.... que não desista de mim, mas me mostre que sou realmente, importante e necessária.... Sendo assim aceito uma flor pra me lembrar do nosso cuidado e entrega...

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Casa vazia, coração também...

Como se livrar dos hábitos com os quais já estávamos acostumados? Meus dias tem sido marcado por perdas,  de pessoas importantes e essenciais, sim perdas eternas que me mudam e irão me mudar cada vez e sempre que me recordar delas. Perdas por mortes físicas e de sentimentos também, essas  perdas deixaram minhas casas vazios... Vi meu irmão ir embora cedo demais, vi suas coisas adquiridas ao longo de 22 anos se encaixarem perfeitamente em 3 caixas de papelão, e causarem em minha vida e peito um buraco grande demais para ser preenchido por coisa alguma neste mundo, domingo, vi a casa que cresci,corri e fui amada de fato, se tornar vazia, quando minha vozinha amada foi vencida por um câncer, a guerreira, se abateu, e partiu... Serenamente partiu, como se tivesse em si a certeza de que todos se ajeitariam, a casa que cheirava chá de canela e pão com manteiga na minha infância hoje já não tem mais brilho só lembrança. A risada gostosa jamais será ouvida, e peço a Deus que não se apague da minha memória.
Dona Valdomira a guerreira, terminou a corrida,guardou a fé e partiu, 72 anos, 3 filhos, 6 netos e 5 bisnetos, dentre esses netos eu... A fisicamente distante, mas de coração ligado, a sucessora do legado de ser forte, ter medo, se arrastar mas nunca parar, a fisicamente parecida, e que honra vozinha amada ter seu sangue, sua cor sua cara, que honra ter te feito sorrir, pouco antes de partir... Dona Valdomira de quem herdei a mania de preferir dormir no sofá que na cama, vó, vozinha, preta assanhada, preta forrozeira, veia e sobretudo minha....
 Sim houve partidas de pessoas que só foram embora, sem muita explicação, pessoas que ainda verei, com quem ainda trocarei palavras.... Pessoas que.... Em seu princípio da tinha sinais claros e visíveis do fim...

Meu coração está vazio, e cansado de ouvir que tudo vai ficar bem... Cansado de pensar na próxima vítima, meu coração ta vazio de suas raízes e bases sempre tão fracas, vazio de sorriso, vazio....
Seria egoísmo tentar manter quem já cumpriu sua missão, mas se temos a certeza do fim, porque doí tanto o momento de lutarmos com eles? Sei que o amor não tem fim, mas como continuar alimentando o amor com as lembranças que restaram? Como lidar com o amor em lembranças, se a memória falha? 
Meu coração ta vazio, meu sorriso vazio, meus pequenos olhos também, mas seria injusto achar que a vida mais tira de nós do que ela mesmo acrescenta? Seria em todo errado, desejar motivos pra sorrir, razões pra seguir, e propósitos para gostar de casa vazia?
Mundo louco onde pouco vem e muito vai, loucura essa de perder a identidade com os amados que se vão, alguém me explica a sensação de parte da nossa história ser enterrada com os amores que a morte nos toma...
Mas sigo agora, mesmo de casa e coração vazios, sigo na esperança de ter algo bom me acrescentado, sigo tentando acrescentar a quem fica o meu melhor,enquanto espero minha hora de partir, com um certo receio de amar, mas tentando não deixar estes receios me impedir de amar mesmo, e apesar da possibilidade certa do partir.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

A Colcha de Retalhos

    Recebi um presente diferente esta semana, da mãe de uma amiga muito importante. Uma colcha de retalhos, parece simples né? e na verdade é simples aos olhos de que não sabe parar para olhar o que há por trás da sutileza da simplicidade, e sempre tento olhar tudo com calma, com óticas novas e simples,acrescentando  amor aos meus olhos, para que ele esteja em tudo que eu olhar. A mãe dessa amiga é um exemplo para mim, tal como a filha! Gosto de gente que se supera, se entrega, que acolhe, sorri e dá o que tem, na intensidade que se tem. A Dona Conceição é uma artesã, que não se aquieta, uma artesã de sabedoria iletrada, uma artesã que adoça a vida, com seus deliciosos doces e seu jeito único....

   Quando ganhei essa colcha, essa simples colcha de retalhos. Eu não tinha ideia, da lição  que ela traria consigo, mas esta madrugada eu parei para imaginar, ou pelo menos tentar imaginar a Dona Conceição, com destreza separando, cortando, juntando e costurando cada pedacinho até que ela ficasse pronta, mas não podia ser um juntar qualquer, devia haver encaixe...

Conclui que a vida é uma Artesã, que nos separa de pessoas e nos encaixa a outras, uma artesã nos ensinando a fazer um acolchoado dos nossos problemas e dificuldades, nos fazendo lembrar que podemos superar nossas dificuldades  e momentos difíceis, os pedaços falam-me não só de quem eu era e quem me tornei, mas também dos fatos e dificuldades que eu dizia que não seria capaz de suportar ou resistir...
Amores que nos fazem sofrer, morte inesperadas, brigas tolas e sem motivos fortes que poderiam sim serem evitadas, sonhos que viraram pesadelos... Sim há cores tristes na colcha de retalhos de nossas vidas, mas há também dedicação em juntar os pedaços eliminando o que não serve mais, e costurando, ao que ainda é forte, bom e de valor...

 O amor costura diretamente o triste a alegria de olharmos para trás e vermos que tínhamos sim tudo para sermos uma colcha triste e sem utilidade, mas somos retalhos que Deus usa para enfeitar e encantar outros retalhos, Ele nos dá a mesma força que deu  as junções e emendas que a Dona Conceição deu as costuras de cada parte da colcha que ela me deu. Sim outras pessoas já foram donas desta colcha que hoje  se torna minha, e isto me lembra que meus pedaços podem ser compartilhados, minhas dores e experiências são vistas pelos outros e os ajudam caso passem pelo mesmo que passei. Meus retalhos mostram carinhosamente, que os espinhos embelezam sim as rosas, pois fazem parte dela, a  beleza e a feiura se equilibram, e juntas valorizam mais a fragilidade e pigmentação das pétalas...

 Somos colchas de retalhos, todos diferentes, parecidos, mas nunca iguais...! Uffa AINDA BEM...
Ainda bem que cabe a mim e a forma com que escolho olhar e encarar agora o problema, logo eu mesma escolho as costuras, eu escolho o que o outro verá, se bolinhas, flores, cores ou estrelas do mar pouco importa, só preciso deixar claro que a solução, vem da decepção.
Ainda bem que a beleza da minha colcha é uma responsabilidade minha e de ninguém mais, porque ninguém vive por ninguém as dores que não lhe pertencem, mas se lá no final as cores não combinarem, os tecidos não se encaixarem, e as costuras não forem tão fortes a culpa também é minha que costurei tudo da forma que vivi a vida...

 Eu sei que as mãos e a visão da Dona Conceição, já não permite que ela faça suas artes com a mesma beleza e agilidade de antes, e logo serei eu, a artesã sendo observada e admirada, pode ser que eu não faça uma colcha de retalhos física e palpável como a Dona Conceição, mas  minha vida será uma colcha de retalhos, pode ser que  mais pessoas cheguem admiradas com minha vida e outras tantas me deixem por conhecer de perto a origem das costuras...

Mas assim como ganhei esta colcha da Dona Conceição, quero passar ela pra alguém, quando encontrar quem precise, aprender a ver a vida com amor e calma. Quero contar um pouco sobre  o quanto  a Dona Conceição era uma artesã de fibra, do quanto aprendi com ela,  e com sua filha adorável, capaz de facilitar a vida do outro, sem invadir ou impor nada, a vida da Dona Conceição e da Família dela está costurada a minha... E cabe a mim dar um final bonito ou não a esta colcha que tento tecer... E espero fazê-la da melhor forma possível.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Fique sem eu ter que pedir

As vezes o corpo que colo, e o colo quer presença sem termos que pedir por ela; outras tantas vezes o abraço demorado é um silencioso aviso a 
Dizer: EU NÃO ESTOU TÃO BEM.
Estranho como a agitação se transforma em necessidade de calmaria, estranho como o corpo sente carência de afago, de cumplicidade, de pele, de silêncio, mas em dupla.
Fica cada vez mais claro, o porquê da afirmação de que NÃO É BOM QUE O HOMEM VIVA SOZINHO... 
A falta vem, o peito silenciosamente grita, a pele arde clamando por toque e entrega. Não creio que alguém seja feliz sozinho, como também não creio que alguém seja metade de alguém, mas creio que as pessoas se juntam para se somar, tem que haver encaixe, o abraço tem que acalentar senão ele é vazio, as mãos devem bem mais que se entrelaçar...
Diminui meu tom, meu ritmo, em minhas festas já não tocam, rock in roll hoje as baladinhas são para colar o rosto, ficar perto.... E por gentileza vida, manter apenas quem se agrade deste ritmo. 
É que as relações anteriores me sugaram tanto, que hoje não resta, força, ânimo, muito menos paciência para olhar no outro e com voz falha pedir FICA UM POUCO MAIS.... Também já deixei de lutar para manter alguém...
Não brinco de sentir falta e cada EU ESTOU COM SAUDADE É VERDADE, parei de dizer EU TE AMO sem de fato amar e querer.
É que entendi que o adeus faz alguém sofrer, entendi que amor e presença implorados não passam de esmola, e esmola é sempre o que sobra quando o principal já foi sanado.
Não dá pra amar quem muito se ausenta, não dá pra abraçar um porco-espinho sem se ferir, não mantemos amor por quem nos afasta... Se não houver reciprocidade, se ama sozinho, se doa sozinho, se quer sozinho, Permanece sempre S.O.Z.I.N.H.O...
E não dá para ser sozinho junto, um não casa se o outro quer viajar, um não briga se o outro prefere abraçar.
Não compensa implorar para ser amado, não é verdadeiro quando o outro está com você. Sem estar por escolher estar não só com você, mas em você, isso é relação meia boca.
Meus desgastes são só meus, e prefiro estar quieta a lutar por um monólogo, estar sozinho  não é legal, mas estar junto sozinho é intragável, e o mesmo que procurar água e só achar fogo e deixar-se queimar mesmo sabendo desse fogo, não existe amargo no doce do mel, não vale ser objeto na estante de ninguém, nem mesmo vale ser a pessoa a ser lembrada quando o resto da agenda já tinha compromisso...
Quero colo sem ter que pedir para o outro ficar, e ele também não é obrigado a adivinhar o que quero... 
Só quero relações em que possamos saber o que dizem os olhos, quando a boca cala e sorri, quero que os corpos saibam que podem e devem ficar, e identificar o corpo pedindo mais afeto se trata de relacionamento, bem mais que de envolvimento...
Envolvimento é sexo casual, é amizade colorida, é querer sem manter, é beijar e abraçar sem fechar os olhos, é só lembrar o nome sem se recordar do rosto.... Relacionar e conhecer a fundo, é saber como o outro acorda, e permanecer lá, independente de como ele irá acordar, é ter saudade do jeito de falar do outro... E conhecimento minucioso do afeto, é desvendar facetas e colorir cada centímetro do outro...
Tenho desejado mais, e não há erro em me colocar como primeira escolha em todas as possíveis opções, não vou mais pedir para que algumas pessoas fiquem, mas as portas encostadas não serão garantia de direito a retorno...
Tenho desejado, colo, presença, calor, e mais noites em casa fazendo chá no intervalo do filme, mas não quero pedir por relacionamento, quero que haja desejo, interesse sem ter me desdobrar para dar a alguém motivos para estar comigo...

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Arma e Resposta

        Me convenço diariamente de que Mateus estava certo quando disse que nos últimos dias o amor de muitos se esfriaria, MT 24.12, e acredite eu não estou me referindo ao amor vertical (nós e Deus), pelo menos não especificamente.  Me refiro ao amor horizontal (nós e nosso próximo), assim como me convenço diariamente que amor tem mais de liberdade do que de amarras, amar não é ser dono, mas sim um colaborador na vida do outro, pode parecer piegas, mas o amor caminha ao lado como quem segura as mãos, mas não impede o outro...

    Não impede o outro de ser ele, de ter e ser feito de singulares diferenças, de se abrir, de se expor, de falar a verdade na cara, de não ter que viver medindo cada palavra dita.  O amor não tem medo de ferir, não tem medo de tempestades de verdades, pois lá no fundo e bem lá no fundo ele sabe que o torna verdadeiro o amor é o fato, o simples fato de permanecer e mesmo ferido lutar, mesmo ferido perdoar, mesmo ferido entender que o amor brota justamente das sãs imperfeições, dos ajustes, das brigas e discussões.

Já se perguntou porque o amor de Cristo o levou pra Cruz? Ou apenas eu e minha mente fértil, visual e inquieta já se questionou o porquê de morrer para demonstrar amor?  Não entendia a grandeza, largura e profundidade deste amor, mas um dia compreendi que Jesus queria ensinar que o amor só é amor quando o benefício do outro vem antes do benefício próprio,  que lá na CRUZ ele provou que só podemos dizer que AMAMOS ALGUÉM após já termos DITO  EU PERDOO você,  mas também esqueço... Perdoar e não esquecer nunca foi perdão,  nem Nunca será... Não estou falando que teremos amnésia Ou que anularemos o erro ou coisa assim, mas se a dor de lembrar for maior que a aprendizagem que a situação trouxe, algo ainda está fora do alcance da cura.

     Nossas mazelas, falhas, deslizes e erros trazem consigo generosas porções de crescimento, só precisamos reajustar as lentes mas, temos está mania de sempre olhar por outro e ver apenas o mal que e ele nos fez, como se não houvesse nesta mesma pessoa parcelas de coisas boas e admiráveis, a verdade é que somos doentes e nossos dodoizinhos,  parecem nos cegar para o fato de que nossa humanidade também fere, agride e machuca a humanidade do outro, mas se o amor de Cristo o levou a Cruz e da Cruz ele foi até a morte, por que desistimos do outro? Porque nós afastamos quando notamos as imperfeições se Cristo, se o próprio Cristo, sabendo de cada uma das imperfeições de cada pessoa existentes no universo ainda morreu? E morreu por voluntariedade! Parece alto demais o preço que se paga por amar alguém neh? Mas são mesmo altos os ganhos em ver no sorriso do outro, na felicidade incontida e saber que foi o seu amor e seu jeito de amar que causou tal felicidade...

     Em um mundo dotado de relacionamentos superficiais, me encanta quem consegue saber quem o outro é, e ainda conhecendo o outro em seus extremos é capaz de desistir das exigências, deixar as insinuações e projeções do outro caírem olhar para no que há de pior, feio, errado e ter no peito a certeza de você não seria metade do ser humano que é de não fosse a forma imperfeita do outro.

 Na cruz, o Cristo mostrou que não importava o sacrifício que seria feito, não importava que fosse a morte o preço, louvável é morrer pra que o outro cresça, nobre é fazer com que diariamente e a cada segundo pessoas se recordem do preço pelo amor... Pelo preço de entender que só somos melhores quando danos ao outro o direto de crescer em nós,  por nós e através de nós,  se o amor lança fora o medo porque ainda tememos amar? Se preocupamos tanto com o que Jesus faria em nossos passos porque o Órfão, a viúva, o idoso e quem passam fome não tem nome?

      Nosso amor é amor de político em campanha, milhões de promessas até obtermos o necessário para nos promover, até obtemos algo que sacia nossa sede, após isso nossos amores não passam de promessas de carnaval, e como dificilmente amores de verões resistem aos invernos, descobrimos que nunca amamos as pessoas por quem elas são. É mais fácil sumir da vida dela, que lutar contra nosso eu que se prioriza.... 

       Precisamos entender que o amor tanto é uma Arma, como também é uma Resposta.
 O amor como arma é avanço, mas o amor como resposta é solução para o que parece sem jeito, o amor como arma fere, como resposta é o fim para as fomes do mundo, como arma o amor pode agredir, mas como resposta pode silenciar uma guerra... o amor como arma e divisão, como resposta, às bombas nucleares são apenas bombinhas de São João, o amor como arma te leva a ferir, como resposta te coloca diante do Sacrifício da Cruz…

Então o que você escolhe Arma ou Resposta? Só se lembre que o esfriamento do amor entre as pessoas é fruto do esfriamento do nosso amor por Deus.

sábado, 27 de junho de 2015

Um Amor que Caiba em mim.... E Nos Meus Sonhos...


" Agora eu vou cantar pros miseráveis... Pras pessoas de alma pequena      Remoendo pequenos problemas... Pra quem não sabe amar, fica esperando  ALGUÉM QUE CAIBA NOS SEUS SONHOS." 

    Forte o que Cazuza cantou no Blues da Piedade né? Me perco na forma visceral que ele tinha de expor suas ideias, sendo incisivo sem ser agressivo... A primeira vez que ouvi a música, isso me pareceu uma crítica a nossa busca desenfreada por amores perfeitinhos, pessoinhas sem defeitos que caibam nos nossos sonhos (perdoem-me o plágio). 
Mas hoje não... Hoje concordo com o Senhorito Cazuza (e sim eu ouço Cazuza mesmo estando na igreja DEUS ME FALA QUE TUDO POSSO SE EU EXAMINAR... ENTÃO NEM BLUE PARA OPINIÃO ALHEIA) e ouso afirmar que ele alfinetava alguém que estava buscando o que diz na música..., mas, entendo que lá no fundo, bem no fundo do fundinho mesmo, o amor nada mais é que " buscar alguém que caiba em nossos sonhos" e em nós. É buscar alguém cuja imperfeição a faça perfeita, alguém que irá recusar os moldes que tentamos colocar nela, mas que se adapta dentro dos parâmetros necessários para a boa convivência. Querer e buscar alguém que caiba nos nossos sonhos é enxergar esmiuçadamente o lado oculto e revelado de cada um...  E volto a repetir, (aprendi na pedagogia que a repetição gera aprendizagem e que decorar é nada mais, nada menos que DE CORAÇÃO GUARDAR... uhulll viva a pedagogia) buscar alguém que caiba nos seus sonhos é alguém cujas imperfeições a torne perfeito, alguém com defeitos tolerados e qualidades COMPLEMENTARES.
Cazuza sabia que precisamos de alguém que nos lembre dos nossos sonhos, projetos e desejos que escondemos por tempo suficiente para esquecermos, alguém que vasculhe nossas gavetas e caixinhas das lembranças e diga, “ Caraca, mor, véi o que isso está fazendo aqui escondidinho? Por que guardou isso sem concretizar se isso é muito PAIDEGUA? ”  (Paidegua é algo muuuuuuuuiiiito legal para os Paraenses... Tá eu sei que não sirvo pra gírias)...                                                               O que não entendemos é que nosso erro é querer alguém que caiba em nossos sonhos, como aqueles gessos que os médicos colocam em nós quando quebramos braço ou perna ou coisinhas assim, e se você já quebrou algo e colocou gesso você sabe que gesso é tão, tão igual ao membro que de tão igual que parece parte de você, eis que aqui surgem as complicações, você não consegue coçar ou mexer porque não há muito espaço. Algo me diz que ninguém que amores assim né?           
Acho que o amor que buscamos é como uma luva na mão, meia no pé, e aquele moletom velho... te aquece, mas não o bastante para que se esqueça que está frio, se adapta ao teu corpo, mas não limita teus movimentos, você sente que ele está em você, mas não te faz esquecer que você é você... meias, luvas e moletom estão em nós, mas não nos impede de sermos nós... e mesmo que não seja do tamanho certo, alegremente vestimos, ele se serve e pronto, e sendo velho, rasgado e descolorido então... nunca vi algo nos fazer mais feliz...
         Mas, para caber em você e no seu sonho, o amor tem que ser como aquela roupa que você quer vestir toda semana, aquele pijama que se pudesse, você iria trabalhar com ele, o amor é conforto, te abraça, mas não sufoca, te confronta sem te fazer querer abandonar o barco. O maior erro deste século, é que tentamos amar alguém, mas antes disso, o alvo do nosso “amor” tem que se tornar quem e como desejamos que ele seja, somos o gesso no quebrado do outro, tentamos loucamente achar alguém que nos dê amor na medida exata que queremos, que faça o sexo que precisamos para saciar o corpo que na verdade é insaciável, sempre desejaremos o que não temos a grama do vizinho será sempre mais verde, buscamos alguém para nos dar o carinho que nós mesmos julgamos merecer. Buscamos uma pessoa que queria nos ver a mesma quantidade de horas por dia e semana que desejamos vê-la, que queira os mesmos números de beijos que desejamos....
            Só que não notamos que as molduras humanas, são os porões do coração, meu e do outro. E acredite que você ou não ainda tem muita gente se contentando em viver em porões por querer perfeição demais em suas relações, ah Wanessa você é uma perfeccionista e exigente assumida, como pode me falar isso? Pois é .... 
Mas se que te contar que no auge dos meus 25 anos   que está a caminho, meu maior erro foi colocar gesso e não meias em meus relacionamentos você acredita? Se te contar que as vezes tenho vontade de me socar por não saber ceder, confiar e arriscar você creditaria? Haha só falo do que tenho conhecimento kkk. 
Creio que o ideal, é tentar não moldar o outro, mas moldar a fôrma, pois o risco de tentar mudar alguém é que as mudanças são imprevisíveis, e a pessoa pode passar a caber menos na nossa forma, ou nem querer entrar. Se é difícil? Não imagina, facílimo... só que nunca, sabem porquê? É mais fácil culpar o outro por não caber em nossas fôrmas de gesso, que reconhecer a minha inadequação a fôrma dela. Não é fácil e sinto na pele isso, não e fácil admitir que a pessoa perfeita não existe, que o príncipe do cavalo branco não existe e o pior, se ela existisse poderia não querer ficar conosco, pois ela estaria a procura de alguém perfeito e da realeza com ela.
Quanto a mim, comprei meia, luva e moletom, largos, afim de que a pessoa que espero imperfeitamente encontrar, confortavelmente caiba nela, e sei por meio da minha fé que onde quer que esteja, alguém também está esticando bem a meia dela para abrigar meus pezinhos cansados de me perder, mas espero que ninguém me condene e te condene por não aceitar me adaptar a algumas coisas, pois existem coisas que simplesmente são tão odiosas e desprezíveis que não devemos aceitar nos submeter a elas, como um tom de voz mais alto, uma palavra mal dita, uma humilhação ou até mesmo um convite pra ir ao show da Walesca popozuda...

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Complexo de formiga

 Tenho aprendido que a vida é um eterno reajuste, diariamente temos que nos confrontar, pois, se não fizermos isto caímos na rotina, na rotina física, na rotina de aceitar pouco e dar muito, na rotina de aceitar amores em migalhas, eu tenho confrontado meu complexo de "formiga".
       Por carência ou falta de vergonha na cara mesmo, aprendi a sobreviver de migalhas e aceitar relações onde me doava mais que recebia, onde amava por dois, tentava fazer dar certo por dois, eu tinha limites rígidos, mas que contrariamente cedia a cada um deles por puro medo de estar só.
       O que eu notava, mas não agia a respeito, era que meus amores vazios me esvaziavam da minha dignidade também, do meu conforto, do meu prazer, eu tinha pedaços de alguém me doando por inteira.
       Vivi alguns anos de minha vida aceitando amores de madrugadas carentes, encontros as "escondidas", e uma limitada preocupação por conveniência, tinha "inesperadas" mensagens de "Bom dia" como alertas de "quero te ver hoje" tinha uma falsa ausência de cobranças, porque para ser bem sincera o outro sabia como chegar, colocar em mim cabrestos sem que eu relutasse em tira-lo.
        Fiz do meu coração uma praça pública por inúmeras vezes, e em cada uma delas meu coração se viu cheio de pessoas conversando, cantando e me entendendo, mas que logo sumiam e quando eu percebia estava tudo destruído, a grama (sonhos) estava morta, os bancos (eu) quebrados e quase irrecuperáveis.
E a culpa era unicamente minha, por demorar a entender que amor implorado é esmola e esmola é o sempre  que sobra, e que eu poderia sim ter dito: 
"-Hey quer fazer o favor de tirar seus pezinhos da minha grama, senta direito nesse banco."
        Masssssssssssssssssss, chega um momento em que nos cansamos, é simples assim, nos cansamos... Cansamos de sempre reconstruir, o que na maior parte das vezes poderíamos só preservar, chega um momento na vida em que simplesmente não dá mais pra aceitar algo que não seja recíproco, algo que nos tire mais que acrescenta,  amores de finais de semana não estão conosco quando a quarta-feira é de matar, beijos de baladas não nos acalmam quando perdemos alguém importante, amores de madrugada não retocam seu protetor solar para que não se queime no sol do meio dia. E se doar inteiramente, amar intensamente para não ter Retorno cansa sabe... Ah Wanessa você está falando que... Não, eu não eu não estou falando que  devemos fazer as coisas esperando um retorno, mas se não acrescenta também não faz falta, não é mesmo?
     Ouvi de uma amiga, dias atrás que QUEM NUNCA DIZ NÃO ACABA SENDO O BESTA DA SITUAÇÃO, e na boa espero que está frase tenha causado em você o mesmo que causou em mim, sou uma pessoa, que acredita que tem sim jeito para a raça humana, que acredita no arrependimento e na mudança.
Mas as pessoas só mudam quando elas por si só resolvem fazer isto, não dá para colocarmos ninguém dentro dos nossos moldes, ninguém deve viver sobre moldes, que não lhes satisfaz por medo de ser só, nem devemos aceitar nos doar por alguém que não faça o mesmo por nós, é a famosa lei do retorno sabe? Não? Te lembrar... TUDO QUE VAI TEM QUE VOLTAR....
      Então hoje, ao acordar me questionei de que vale ter a metade de alguém e ser inteira na relação? Se for para ter alguém e ser sozinho, melhor estar em um todo sozinho... assim ninguém te fere, ninguém te cansa, ninguém te cobra mais do oferece, ninguém estraga sua praça, ninguém bagunça o coreto...
     Não existe razão em ter alguém se a convivência conosco mesmo não for ao menos tolerável, afinal se paixão cega os olhos, carência mata o cérebro, o orgulho e o amor próprio.
       Então bora tratar de falar não para a voz da carência? SÓ PARA CONSTAR, NUTELA NÃO CONTA COMO REMÉDIO TA! Vamos tratar de começar a mandar certos indivíduos tomarem cuidado com a grama? VAI LÁ COLOCA PLAQUINHA SÓ NÃO PERMITA QUE SEUS RELACIONAMENTOS TE DESTRUAM...
        Eu entendo bem de se sentir um "Japão depois do tsunami", entendo de colocar gente para bagunçar o coreto, e entendo disso por aceitar migalhas, por tentar a todo custo achar o homem da minha vida no final da dose de carência.
         Mas... (glórias a Deus pelos "mas" da vida que nos ajudam a mudar o rumo da história), Decidi que a partir de hoje beberei Tequila mas, carência não!
Hoje decidi que essa história de metade da laranja não é para mim, o máximo que consigo com metade de um laranja são dois dedos de suco, decidi que nem de limão eu gosto logo, não preciso de metade do limão nenhum para ser feliz, hoje compreendi que quando sou inteira não preciso ser metade de ninguém, logo mudei a oferta: Ou me leva inteira, ou nem demostre interesse em adquirir-me pela metade do preço, cansei de ser produto em liquidação, chega de migalhas de queima de estoque.... 

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Te querer eu não quero, mas também não vou te largar...

Uma das coisas das quais me envergonho desta geração a qual infelizmente pertenço é que esta  geração sente orgulho em ser conhecida como a geração do "Melhor embriagado que iludido" por mais que eu tente não consigo entender o orgulho que temos de bater no peito e cantar ou falar coisas do tipo  "eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo e meu também", "Cuida bem dela, você não conhecer alguém melhor que ela, promete pra mim o que jurar pra ela você vai cumprir, mas eu fui incapaz de fazer ela feliz, mas faça ela feliz"...
Sério mesmo isso de ser de ninguém? Legal.... Talvez isso justifique a enrolação de algumas pessoas.... Sabe não entendo o que dá em algumas pessoas em não querer namorar alguém, mas não deixar claro para o outro as divergências de interesses, gente que não quer namorar, mas sente ciúmes na possibilidade da pessoa arrumar alguém, e sumir da vida dela (SIM NA POSSIBILIDADE). Estranho a contradição neh? E o que dizer da segunda música da pessoa que não soube dar valor pedindo para o outro fazer a pessoa que ele teve e não deu valor feliz, e não deu valor porque ele simplesmente não quis, não me vem com esse papo de que não soube dar valor não, porque só damos valor ao que queremos, logo se não damos também é por não querermos.
Não você não é obrigado a ter um namorado (a), mas não tem o direito de manter na sua vida quem não quer, apenas porque faz bem saber que alguém te quer, precisamos entender que ninguém é massinha de modelar para tentarmos dar a nossa forma a eles, brincar de dar e esperanças e não ficarmos com a pessoa. Isto é um golpe baixíssimo, daqueles que mereciam mil chibatadas e punições severas. O problema desta geração é achar que ela pode fazer tudo sem que um preço seja pago por isso, é banalizar os sentimentos dos outros sem se lembrar que alguém  pode fazer a mesma coisa conosco, hoje não devia ser chamado de " dia dos namorados" devia ser chamado de "dia do Mi mi mi", onde muitas pessoas em sua maioria Mulheres, irão reclamar de sua solteirice, do quanto já foi ferida, sem enxergar que pode estar fazendo o mesmo com um cara que pode não ser lindo ou rico, mas que tem um caráter incorrompivel, que poderia muito bem faze-la feliz, pessoa vão reclamar mesmo sabendo que nós mesmos aceitamos algumas situações.
Me envergonho quando vejo alguém falando de possuir uma pessoa no fogão e o outra na geladeira, ou seja, caso um não dê certo você tem o outro.
Como assim? Que coisa e essa que insistimos em chamar de relações? Quando foi que ter um e não vários deixou de ser válido? VOCÊ ATRAI O QUE VOCÊ É.
SE VOCÊ TRAI COM QUE DIREITO VAI EXIGIR FIDELIDADE?  SE TA AÍ ENROLANDO ALGUÉM NESTE JOGUINHO BAIXO DE NÃO QUERER E NÃO LARGAR, UMA HORA TU VAI TOPAR COM ALGUÉM QUE FARÁ O MESMO.
Desculpem-me, mas, não. Eu não vou concordar com essa história de não querer mas amarrar a pessoa a si e não deixar ela seguir, se for para ferir a pessoa que seja com um OLHA NÃO TE VEJO COMO UM NAMORADO, ENTÃO ACHO MELHOR NOS AFASTARMOS.... É possível se recuperar das feridas feitas pela verdade sem que a cicatriz seja profunda, mas a mentira seja ela qual for gera danos irrecuperáveis.
E eu preciso falar algo sobre aqueles "casais" que todos já entenderam que são casais, mas que só eles não assumiram ainda? Ah me poupe ne! Que mal há em gostar de alguém e querer ficar com ela? E não a assume por que? Ela tem outra ou outro? Não.... Então foda-se o que as pessoas vão pensar da sua escolha. 
A pior coisa no mundo e gostar de alguém e não poder tê-la ao nosso lado, (vai por mim eu sei do que estou afirmando!) Quando escrevi este texto fiquei horas pensando em que foto colocaria (logo me lembrei do final do filme Querido Jhon) e a história do filme em si já me encanta, mas ver a sinceridade da Savanah ao chegar e falar olha " to terminando tem outro e vou ficar com ele" só me prova que amor tem muito mais de liberdade que amarras, mesmo amando um ela fez a decisão de ficar com o outro, e honrou está decisão, até o final. Entendo que as mídias não fantasiam em suas novelas e filmes, ao contrário elas falam do que o mundo está cheio do que até mesmo a igreja está cheia, de descompromisso, de traição, de mi mi mi, de corpo mole, de gente mais interessada na beleza física que passará, do que no caráter.
Então para você que tem alguém que não quer, mas também não solta, só quero lembrar que cachorro que carrega o osso na boca para longe uma hora ou outra topa com um cachorro maior, que levará o osso sem esforço algum, só quero lembra-lo que o mundo dá voltas, que o mal que você faz hoje voltará para você no mais tardar de amanhã, que o que você espalha e o que você ajunta, e quero lhe parabenizar por mais um possível relacionamento que não deu certo em sua vida por sua culpa total e inteira. E para quem gosta de alguém que não quer assumir o mesmo compromisso que você, só quero lembrar que existe, mais um milhão de pessoas lá fora querendo o mesmo que você, já deixou claro suas intensões e a pessoa ainda está te enrolando? Bora para a próxima tentativa? Você merece alguém para caminhar ao seu lado, sem vergonha... Alguém que queira e esteja disposta a te ter ao lado dela independente do que o mundo fala. De nada adianta ir a culto das princesas e ter coração de bruxa Queca, de nada adianta casar com o Don Juan conquistador, se ele é só um rostinho bonito, felizes para sempre, princesa e príncipe encantado só é bonitinho nos contos de fadas, vai por mim a realidade é outra, mas tão linda quanto a dos contos de fadas quando você vê no outro mais do que o exterior diz.
 CHEGA DESSE MI MI MI, DESSE NÃO GOSTO MAS QUERO PERTO... SOLTE AS AMARRAS... QUEBRE AS CORRENTES E VAI ATRÁS DO QUE OU DE QUEM TE FAZ FELIZ, COLOQUE NO CHÃO SUAS MÁSCARAS E DEIXA O OUTRO SABER QUEM VOCÊ É.
O sinônimo de amar só é sofrer quando, quando nós permitimos, que seja esse o sinônimo. O que nos faz sofrer é o jeito estranho que temos de amar... E que fique claro que sou a favor da espera, mas espera com alguém na mira é enrolação. 

P.s: Ainda bem que Deus não é vingativo imaginem se Ele fizesse conosco o que fazemos com os outros

sábado, 6 de junho de 2015

As coisas que aprendi com você depois que te perdi


Existe um velho ditado popular que diz que: "só aprendemos a dar valor, depois de perder um grande amor", não sou alguem apta a desmentir isto na vida da humanidade, mas na minha eu posso....
Hoje eu acordei com medo, mas não  chorei, senti saudades de alguém que mora nos meus sonhos e memórias, mas  não mais na mesma casa que eu, embora casa fale mais dele que de mim mesma. SIM SENTI SAUDADES DO MEU IRMÃO.
Me lembrei que saudades, é amor que fica, é fragmentos do outro que permanece quando ele é obrigado a partir, ou será que as pessoas nos deixam por opção? Hoje apesar do medo, eu não mendiquei abrigo, mas me olhei com calma, olhei para a escuridão do meu ser aterrorizado, e para o turbilhão de dúvidas e sensações ao qual pertenço e foi a única vez nos últimos meses em que não tive vontade de sumir, eu tive orgulho de mim...
Notei que aprendi mais sobre meu irmão depois que ele morreu, que em todos seus anos de vida... Pra quem olha os 22 anos que meu irmão teve de vida, pode parecer pouco,  mas na veratrásquando se vive como ele vivia, um ano tem peso de 10...
Descobri hoje enquanto sentia medo, que ser forte é uma coisa dele que ficou em mim, ser irmã mais velha e protetora de um menino vida louca, aventureiro, teimoso, determinado e cabeça dura te obriga a ser forte, e isso veio dele, não sou em minha essência está fortaleza que as vezes aparento, mas me fiz forte, aprendi a ser forte por ele, pra cuidar dele, hoje enquanto sentia medo, lembrei que ele sempre dizia "se o mundo só aprende a me  dar duras marteladas eu preciso aprender a fazer com que elas doam menos, me esquivar de algumas."
Hoje me lembrei das nossas brigas por tolices, mas que simplesmente  foram necessárias para que eu pudesse aprender que o amor envolve perder a paciência, fazer as pazes sentir medo de perder, e que essas estranhezas de irmãos nos ensina a voar, e por falar em voar lembrei- me de quando ele colocou na cabeça que podia voar, e se lançou de um balanço e furou o ombro, hoje após te-lo perdido, entendo que não importa o quanto me machuque, só aprendo a conhecer meus limites quando decido voar para tentar realizar as loucuras que chamo de sonho...
Só depois que perdi, entendi que minhas marcas e cicatrizes me contam histórias, não só histórias que não  deram certo, mas histórias que por sua vez foram necessárias, só depois que  o perdi entendi que não importa quanto eu seja Ferida, cada dor sempre tem mais pra me acrescentar que para doer...
A vida é o unico filme que tem o mesmo final pra todos, vamos todos para o mesmo lugar, mas aprendi com meu irmão apenas depois que o perdi que o que me difere do resto do mundo é a forma com que encaro cada dificuldade, aprendi com ele e só depois que o perdi que eu posso chorar, mas nunca desistir, e se puder seguir sem choro isto não me faz  fria ou dura, mas me faz capaz de entender que nem sempre chorar alivia as coisas, mas que vez ou outra chorar me fala da minha humanidade. Me lembra que estou viva mesmo em meio a dor...
Me lembrei que não importava quantas vezes algo causava dano ao meu irmão, ele sempre voltava a se arriscar nas mesmas coisas que minutos atrás o feriu ele sempre estava lá, tentando a todo custo, e  nem sempre evitando os erros anteriores. Só depois que o perdi pude entender que não importa quantas vezes alguém me machuca é sempre tolice minha desistir dela, assim como e tolice esperar que a cada volta  eu vá encontar a relação  com esta pessoa igual ao que ela era, não estará igual mas, devo reconstruir o que sobrou de cada coisa com quem hoje sou, sem querer mudar, aprendi que não tenho que mudar minhas posturas só pra agradar. O amor é a aceitação da existência de diferenças que teimamos em chamar de DEFEITOS E FALHAS.
Só depois de perde-lo entendi que a morte não põe fim ao que sentimos por alguém, assim como não passamos a ama-las mais quando elas morrem, mas a morte... ela te mostra que o amor que você sente por alguém, te faz sentir falta até e principalmente do que te irritava nela, te mostra que padronizamos, as pessoas, as coisas, os sentimentos, as razões, os costumes e as faltas. Se me arrependo de não ter aprendido algumas coisas com meu irmão antes de perde-lo? Não, de forma alguma, não importa o tempo que se gasta pra entender o que uma pessoa tentou a vida toda te ensinar, se um dia na ausência dela, e seja a ausência que for, você olhar para as lembranças que carrega no peito sobre ela e neste instante ter no rosto uma lágrima e um sorriso o tempo que demorou pra aprender terá válido a pena, a morte separa o físico, mas a pessoa permanece viva enquanto decidimos amá-la, as lembranças aquecem o coração quando a ausência aperta, ela não faz a dor da falta passar, mas ela vivifica a pessoa que se foi em você... É a saudades que faz as lágrimas caírem, mas ela nos prova que existe amor ainda quando a vida do outro se encerra... E é irônico que a morte nos ensine mais sobre a vida do que a vida nos ensina sobre ela....
Mas a minhas perguntas são: O QUE TEM MOVIDO SUA VIDA? O QUE TEM FEITO COM A SUA VIDA? COMO TEM GASTADO SEUS DIAS? COMO TEM AMADO E DEMONSTRADO AMOR PELAS 
PESSOAS DA SUA VIDA?
Espero sinceramente que seus olhos estejam verdadeiramente abertos para quem você tem ao seu lado, espero que aproveite cada detalhe de cada pessoa que esta ao seu redor, que você aprenda a amar os defeitos das pessoas e a amar cada pessoa apesar de seus defeitos... Espero que suas perdas te ensinem, e gere em você o dom de ser grato até pelo que dá errado e que você não precise se perder para se encontrar, mas que saiba com clareza o propósito da sua existência... 
Espero ainda que viva de modo com que sua existência seja lembrada com sorrisos molhados de lágrimas...

sábado, 30 de maio de 2015

Me Deixa Ser Sua Lembrança Bonita

    Há quem diga que o amor é aquela agitação que te dá quando você vê a pessoa, o tremer as pernas, o falhar da fala...
Há quem diga que ele é a calmaria de um abraço, o saciar de um beijo a certeza do pertencer ao se achar no olhar do outro.
    Mas eu.... Eu digo que o amor é a sua lembrança mais bonita, o equilíbrio da certeza do pertencer, do falhar da fala, a calmaria do abraçar e o tremer das pernas, o saciar de cada um dos beijos...o amor é a consenção o, é renunciar ter a razão e o calar de qualquer pronúncia. Ele é o que ele faz de você.
É o beirar a psicose das conversas bobas, mesmo que a memória não seja uma aliada, é jurar morrer sem a respiração do outro, mesmo sabendo que se a respiração do outro se findar, ainda permaneceremos vivos, e descontroladamente implorar por um seguir.... Mas segui juntos sem desistir, é permanecer quando a vontade for correr para a longe, para bem longe para ser sincera. É o construir alianças ser feliz por ter na mesma cama seu celebre inimigo.
     Não digo aquele inimigo que te faz querer mata- ló, mas sim aquele inimigo que te faz querer mudar e ser melhor, que te irrita tanto, mas que só ele mesmo te traz a paz necessária. Aquele que coloca a prova teus objetivos e intenções, que te faz querer deixar o sedentarismo da superficialidade dos sentimentos rasos é o despertar para "lutar" em manter...
O amor é a exposição da dor sem medo, é escrever cartas a punho ainda  que nelas contenham apenas um "que sorte a minha em ter encontrado você", é não temer, surpreender com o que não é esperado, enlouquecer de saudades após 5 minutos da última vez em que se viram, e fazer o outro gostar do que ele não gosta, por isso vir de você, e mandar um bilhetinho no trabalho com um "Me apaixono por você todo santo dia", o amor é fazer a pessoa corar e em seguida dar aquele sorriso de canto de boca, é acreditar que há tempo pra perdoar, sem fazer jus as coisas que não se teve, mas ter a dignidade de se culpar também pela infelicidade do outro, é aceitar que vez ou outra somos o monstro engolindo a expectativa e sonho do outro.
O amor é não temer perder a decência e pedir perdão, pois nem sempre pedir desculpas resolve, é fazer o senso do ridículo reivindicar o direito de assumir a sua culpa por esquecer o dia e o mês do primeiro beijo, por não reparar a mudança no corte do cabelo, na roupa nova, e confundir o aniversário de casamento com o dia em que compraram aquele cachorro com o qual vocês sorriram juntos várias vezes.
 É pouco estar na vida de alguém ocupando um lugar nas lembranças doloridas do passado. Amar é ir se tiver que ir, mas ir não temendo ser lembrado apenas como alguém do passado ou o melhor dos amores, ainda que vez ou outra a pessoa errada seja você, amar é desejar ser o melhor da pessoa, o melhor abraço, melhor afago, melhor sexo (porque não?) Melhor sorriso e sua paixão mais avassaladora.
   Eu só quero ser sua lembrança mais bonita, ainda que eu não seja o amor da sua vida, isso de ser o amor da vida do outro só é possível quando fazemos de tudo para não estarmos na parte da vida que o outro apagaria se pudesse, e lutar para permanecer na memória e não nos álbuns amarelados que serão jogados fora em uma faxina. Então me deixa ser... É me deixa ser uma recordação leve no meio de uma tarde difícil, me deixa fazer o carinha da padaria achar bonito a forma com que extraio os seus melhores sorrisos. Me deixa ser o papo filosófico sobre como Gonzaguinha tinha razão ao cantar, que a vida podia ser bem melhor mais não nos impede de repetir que ela é bonita, nas suas madrugadas de insônia...
Me deixa ser um abraço silencioso e duradouro e aquele carinho na ponta da orelha que você diz odiar, mas que o arrepio nas suas costas me implora para reprisar.... Me deixa ser a agressividade que te aperta contra a parede e te beija a boca, com o fato de que o mundo cala quando você me tem nos seus braços me chamando de lar.... Me deixa ser a certeza de que se um dia eu for apenas um passado para você, serei um passado que valeu a pena, e do qual se orgulha em ter vivido, esqueça comigo essa tolice de jurar ser eterno pois, isso não faz sentido para mim. Mas, me deixa viver a importância do nosso presente. Esquece comigo e ao meu lado o eterno, para ficarmos aqui deitados nos olhando, iguais... Inteiros... E entregues a beleza de ser presente sem pressa de passar, para que se um dia formos afastados, possamos ver beleza nisso de ser a boa lembrança de alguém, e esta beleza de ser a lembrança boa no outro, afastamento algum pode apagar.
Me deixa vai.... Me deixa ser sua lembrança bonita e seja a lembrança que nunca desejarei apagar...

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Por quê te abates minha alma...?

Para cada escolha uma razão, para cada página arrancada uma coisa que queríamos esquecer...
Se cada consequência muda a direção o que estamos fazemos com nosso destino?
Minha vida é um altar da minha humanidade impressa e revelada, dos defeitos que tento mudar e da fragilidade que tento a todo custo esconder.
Meros desvaneios tolos e sonhos bobos mantém nos chãos meus pés cansados de tanto caminhar de tanto se perder na buscar por um lugar onde se encaixar e abraços para me acalmar, tento crer que a vida apesar de dura e sofrida pode ser bonita, mas se soubessem o poder de palavras pequenas, mas que aprisionam, torturam, ferem...
Ah se soubessem a fragilidade, se ao menos tivessem notado a revolta da ausência, a carência de presença, mas não tiveram um pedaço de si arrancado? Não repousa agora em pastos verdejantes um pedaço pequeno de si? Um pequeno,frágil, guerreiro e destemino..... Tal partida devia aproximar, tal ausência devia ser revertida em concerto, dali a pouco  inverteram os papéis o adulto de hoje será criança de amanhã a criança de hoje um dia cuidará deles velhinhos, em suas segundas infâncias, exigindo a si o cuidado e amor que lhe foi dado, e o que terei eu a oferecer? Como devolver o que pouco se teve? Como se honra quem te fere, quem se afasta e não protege?
Ah se a vida lhe trouxesse de volta quem ela mesmo levou, se por uma vez o coração não estivesse cansado e os olhos tristes, sonhar seria luxo...
Borboletas também se despedaçam, também possuem medo de voar,também choram também sentem dor, olhando tudo de perto, cutucando onças com os dedos de suas mãos pequenas, que cansada escreve pra não se sufocar...
Palavras mal ditas, palavras malditas, mas devíamos nos acostumar. Afinal, não foi São Thiago que disse que o menor órgão e capaz de matar? Ah vida pegastes tão pesado com alguém que mal começa a te encarar...
Se o amor é a única saída como implantar amor no coração de quem fere? Ah Irmão Thiago estavas tao certo, nossas palavras ferem mais que curam, e tu pequeno Davi, sanguinário homem segundo o coração de Deus, tu devias  estar como nós ao dizer PORQUE TE ABATES ALMA ESPERA NO SENHOR...
Mas minha alma abatida desfalece pelo caminho estou cercada de amigos me sentindo sem Sentido, gritando alto mesmo ninguém sendo capaz de escutar...
Ah mas Haverá o dia em que não temerei o bravio mas, pois entenderei  que estou sendo mansamente guiada a águas tranquilas e pastos verdejantes. Se o amor é a cura como implanta-lo no coração de quem ama e não sabe demostrar? Como não chorar? Como não te abater o minha alma,como não desejar perto o pequeno falso bem dos lábios de te beijam, de quem faz tudo errado mas ainda sim te reconstrói....
Estou cansada... De ser turbilhão de questionamentos intermináveis e sensação sufocadas, meus pés cansados querem voltar pra você, quero que a areia dos meus olhos de lugar ao tão esperado sorriso de alma, quero paz... E palavras de cura.... Quero a calmaria de um lugar onde não tenha que lutar por dois, amar por dois, quero não ser deixada pra depois...

sexta-feira, 15 de maio de 2015

E hoje mais que nunca quero ficar

Sempre tive medo dessa história de pertencer... Pertencer a alguém, a um lugar, a um sentimento, os pronomes possessivos sempre me assustaram e a meu ver não me caiam bem, não era agradáveis nem aos olhos, ouvidos e nem mesmo ao coração.
Recordo-me de ouvir a música Ovelha Negra da Rita Lee é me sentir extasiada, e acredite era bem este o sentimento quando eu cantava " Levava uma vida sossegada,gostava de sombra e água fresca!Meu Deus quanto tempo eu passei sem saber!Uh!Uh!...  Foi quando meu pai me disse:"Filha, você é a Ovelha Negra da família"Agora é hora de você assumir Uh!Uh!E sumir!..." (desculpa empolguei) mas voltando esta era uma das músicas que me inspirava nessa minha loucura de "despertencer" (está palavra passa a existir agora kk). Não que eu fosse o tipo aventureira, de sair rodando o mundo com cabelos ao vento, mesmo tendo cogitado isso zilhões de vezes, gostava apenas de não me fixar, depender, e menos ainda "esperar" por abraços, carinhos e afagos, e acho que por relutar a eles eu gostava de não te-los... Parece loucura eu sei mas me conforta que apenas um louco reconheça a loucura do outro...
Sentir me ovelha negra era libertador,eu acreditava que não sentir algumas sensações fizessem de mim uma pessoa forte e eu tola não sabia que tal fortaleza se tratava apenas de disfarce, não existe vida sem pertencer, mas eu não entendia isso...
Viver sozinho era bem melhor, eu traçava planos para uma longa vida solitária, fazia de tudo e insistia em não ser notada ou mesmo percebida, me agradava apesar de minha rebeldia, entrar em alguns lugares e não ser notada, sabe aquela sensação de "eu não sou daqui" gostava dela... Era eu  e eu contra o mundo...
Mas houve um dia em que isto mudou, um par de olhos me encontrou e gostei da sensação de me ver neles, gostei do riso torto, do arrepio ao sentir o perfume inebriante, mas como eu só sou verdadeiramente eu se relutar, manter me escondida me agradava, mesmo que a intensidade dos pronomes possessivos, e toda aquela historinha de pertencer me instigasse, não sentir e não confessar eram ser o"eu"descoberto... Não que a minha parte desconhecida assustasse alguém que não fosse eu, mas confesso que a outra parte da música soava como um alerta para o novo "Baby Baby Não adianta chamar quando alguém está perdido procurando se encontrar.Baby Baby Não vale a pena esperar Oh!Não!Tire isso da cabeça ponha o resto no lugar Ah!Ah!Ah!Ah!Tchu!Tchu!Tchu! Tchu!Não!Oh!Oh!Ah!Tchu!Tchu!Ah!Ah!..." (viu intimidade faz as pessoas se empolgarem) e era isso lá no fundo que eu temia, que a intimidade me fizesse depender de algo que eu pudesse perder e perdi...Tanto o par de olhos quanto o medo de pertencer.
E hoje mais que nunca quero ficar, quero mais que uma casa quero um lar, desses com crianças no jardim, com família reunida pra almoço de domingo,quero ter motivos pra voltar pra casa após um dia de trabalho e me jogar no sofá... não pensando bem é melhor se nos braços de alguém que me lembre todo dia o prazer de "pertencer a...", e por falar em ser de alguém hoje mais que nunca sei que quero brigar pra fazer as pazes, quero mais que nunca ter raízes e sugar do solo do pertencer os nutrientes que embelezam a vida de quem decide e se permite ser... E em meio a tudo que hoje quero ser, existe a possibilidade destes desejados braços fortes em dias de inverno não chegar, mas descobri que hoje mais que nunca quero pertencer a mim, mais que nunca estar consciente de que ninguém mora em uma casa sem devidos cuidados, então antes de ser tua e de morares em mim saiba que me pertenço mas deixarei que também venhas morar em mim...
Tenho agora não mais planos pra uma longa vida solitária e sim planos para noites de insônia, para o seu café e para o meu chá... E posso afirmar com propriedade que vais gostar de entrar... E ficar...