segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Porque paramos de nos olhar...

APERTE O PLAY...



   Minha mania de ouvir músicas no YouTube durante o trabalho, hoje me encheu os olhos... Sim de suor, ou lágrimas para traduzir…
Entre uma música e outra propagandas acontecem, e geralmente não as assisto, mas hoje vi uma até o final...

O Boticário colocou 3 casais que passavam pelo processo do divórcio para falarem sobre os motivos do fim. E foi dito sobre o olhar do início e o parar de olhar do final.... Terminei o que me competia fazer no trabalho e CÁ estou eu escrevendo… E concluo que:

          Seria bom se as pessoas não parassem de se olhar, mas não esses olhares superficiais que temos sobre o mundo, as coisas, as pessoas.... Esse e um olhar ralo que deixa de ser revelador e atrativo com o tempo... eu falo daquele olhar esmiuçador, atento e capaz de notar detalhes que nos revelam o humor, a omissão, as imperfeições. Mas ainda assim nos faz querer estar ali mesmo com a transformação do novo em rotina, mas ainda assim nos olharmos e vermos nos mesmos refletidos no brilho dos olhos ou na ausência deles....

       Eu sou uma defensora da rotina, vejo brilho nela, brilho no habitual, sabe não conformo com a história de que as coisas se perdem na rotina, não mesmo ... Nós e que perdemos o interesse, naquilo que vai ganhando formas que nós mesmos damos... Sim sentimentos não são garantias. E isso deveria ser um motivo a mais pra permanecermos, quando a agitação do primeiro amor passa, quando o amor deixa de explodir no corpo ao estarem juntos, quando a conversa já não provoca risos, quando o segurar a mão e entrelaçar de dedos torna se o "cada um no seu espaço..." não significa que o amor ou o relacionamento acabou, significa apenas que estamos míopes e precisamos de óculos e talvez lentes novas, que nos ajude a ver o outro e o relacionamento construído por outro ângulo, sim em meio a rotina da pra perceber o cuidado da esposa que faz sempre a mesma coisa todos os dias, se empenhando em cuidar de tudo na casa e quando se tem filhos então kkkk, ou ainda o marido que chega com os mesmos hábitos que insiste em não deixar,  as roupas espalhadas na casa, a toalha molhada na cama, o futebol com os amigos....

       Não, não estou vendo a vida como um conto de fadas, só estou afirmando que após a construção de uma vida juntos, de barrigas e gorduras adquiridas juntas, natal, aniversário e ano novo juntos e normal que aquilo se deteriore por que sempre precisamos do frio na barriga, sempre precisamos de mais, de experiências novas, talvez seja daí as traições, o corpo do outro, o toque deixa de ser interessante, o beijo perde o sabor não e mais gostoso, não dá prazer... A indisposição torna-se motivo de perder o interesse, o caráter, o reconhecimento do que foi vivido juntos.... Optamos pelo rápido, prático e fácil.... Como é possível procurar em outros corpos o que por tempos já foi bom em um????

    Esse vídeo do O Boticário transformou essas 3 mulheres para o dia do divórcio, cabelo, maquiagem, roupa adequada, elegante... E é notório o susto que os ex maridos levaram.... É como se a mulher deles  a namorada do início do namoro estivesse ali novamente, atraente de novo, linda de novo, chamativa....

Não é a rotina que estraga os relacionamentos, é a incapacidade humana de amar o ordinário (no sentido de comum), e o desinteresse e a escolha de não ficar mais, Saramago estava certo  QUANDO ROMEU CONHECE JULIETA DE PERTO, DE VERDADE É DIFÍCIL MANTER O MESMO INTERESSE,  é difícil desejar a TPM, o descabelar do acordar de cara amassada, o humor, as meias e roupas pelo chão, a toalha molhada que insiste em ser esquecida na cama, as louças que estão sempre sendo sujadas com uma velocidades incrivelmente superior à que costumam ser limpas, o futebol, a barriga que cresce a ruga que aparece... Sim Flávio Siqueira também estava certo isso tudo é a complexidade da aproximação.... Mas devemos admitir que escolher diariamente não perder o que nos aproxima do outro, mesmo na rotina torna real o amor.... É uma questão de escolher amar a rotina, é uma questão de honra renovar as lentes e os votos cada vez que algo não está legal... Mas é questão de sabedoria ter em mente que nós e quem determinamos o tempo do PRA SEMPRE.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

No silêncio me pega no seu colo de amor

Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem.
 Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó.
Salmos 103.13-14

Sobretudo, hoje posso afirmar que Deus habita no silêncio...
No silêncio quando todos se vão, e ficam apenas eu, Ele e um turbilhão de sensações, então... Ele resolve se deixar ser encontrado, eu vou como estou, levando a Ele minhas dores,apertos, raivas e medos, e Ele.... Ele para tudo e se deixa ser mais, bem mais que o curador das minhas dores, ele me faz crer que não mais as levarei, aceitar a cruz é abrir mão dos cravos!
O irônico, é que na verdade não é o mundo que se silencia, mas eu quem calo em mim o mundo, e me calo em meio ao mundo. Um silenciar que torna-se vital, um plano de fuga que te ajuda a resolver as desordens...
 Tenho aprendido que Cristo é a descrição mais exata de equilíbrio, metafóricamente falando,Ele te desequilibra, para te equilibrar...
Meus extremos por vezes buscam atitudes conciliadoras da ordem interna com a externa, minha rigidez com Ele deixa de ser inflexível, no silêncio quando todo se vão....
As vezes a vida é como estar em um carro correndo a...120... 130... 150... 200 km por hora a paisagem ao redor passa rápido demais, e tornam -se borrões, aparecemos conhecer a estrada pois, mesmo com a mente em outro lugar permanecemos ali, correndo mesmo sem atenção ao que fazemos... Mas então notamos que não há mais ninguém ali conosco em nossa corrida desenfreadas, somos silêncio, pensamentos e uma estrada... E é exatamente aqui que encontramos Deus...
E quando todos se vão, quando o barulho da lugar ao silêncio, quando a solidão aperta que Deus nos pega em seu colo de amor... Não e metáfora dizer que o colo de Deus só é encontrado no meio da solidão, afastar o mundo, ir para o jardim secreto, Deus que é infinito em perfeição está na calmaria, no desacelerar, ele segura nossas mãos, nos pega no colo e nos faz ir a toda pleniture de calmaria que só se é encontrada nele, e é ali nessa abundante calmaria de um colo de amor que podemos descansae e viver bem tranquilos, como criança que é girada no ar, confiantes de que o NOSSO PAI não nos deixará cair... 
Alguns levam um tempo maior para entenderem que é Deus quem nos mantém seguros quando a celocidade que corremos faz a paisagem conhecida se tornar borroes que desconhecemos, Ele está na nossa agitação enviando sinais para prender nossa atenção e assim nos aquietarmos, mas preferimos os ponteiros marcando uma velocidade alta demais, mas que se comparadas aos nossos pensamentos, não são nada...
Mas Deus o pai bondoso sabe que chegará um momento em que precisaremos reduzir a marcha e pararmos, e Ele espera pacientemente pelo momento que silenciaremos todo o resto, e quando pensamos que o mundo se esqueceu de nós, quando olhamos pra trás e notamos a ausência de marcas para voltar ao lugar de origem, batemos de frente com seu majestoso amor e passamos a entender que este caminho até Ele está sempre aberto, para nos encontramos, para o encontrarmos,  Deus sabe rs... Apenas sabe, Ele sempre sabe, que voltaremos, ele simplesmente sabe  dos nossos limites e está lá no ponto final de nossa força humana, esperando por nós... 
MAS ELE TAMBÉM NOS DEIXA SABER QUE NÃO TEMOS OUTRO BEM ALÉM DO SEU COLO E CORAÇÃO PARTERNO,ELE SEMPRE E PRA SEMPE TERÁ MÃOS LIMPAS, CORAÇÃO PURO E UM COLO DE AMOR PARA NOS ENTREGAR, QUANDO SILENCIOSAMENTE ENTRAMOS NOS SEGREDOS DO JARDIM SECRETO....