domingo, 16 de abril de 2017

"Juntas somos Gigantes"

Foto: Fernando Frazão
Estava aqui pensando no caso do ator José Mayer e do cirurgião plástico e ex BBB Marcos e de tantos outros casos de assedio ou violência contra mulher. E a violência é um caso tão absurdo que ocorre nos lares, lugares e com as pessoas mais improváveis de se suspeitar. Há algum tempo a escritora cristão Joyce Meyer revelou que o seu pai abusou dela pelo menos umas 200 vezes, e usou inúmeros momentos da ausência da mãe para fazer isso.
           
            O abuso sexual é algo tão vergonhoso que ninguém fala sobre, e no Brasil, a cada 12 segundos uma mulher é assediada ou violentada de diversas formas, conter até 12 e terá mais uma, serão aproximadamente 5 a cada minutos, cerca de 100 enquanto eu escrevia e mais algumas enquanto você lia este texto, e antes de terminar de ler terá sido mais uma e outra assim que parar de ler e for pensar a respeito, e assim o número só irá aumentar, como num ciclo vicioso, uma bola de neve que se amplia assustadoramente pelas vezes em que não comentamos o assunto e sobretudo pela impunidade, pela ausência de um grito de socorro e até mesmo pela falta de olhos e ouvidos atentos para o outro, já não somos mais pessoas com quem outras pessoas querem se abrir. Estamos mais aptos em fofocar à ser abrigo para quem preciso.

             Talvez lendo esse texto haja quem se identificará por já ter sofrido abuso, por estar sofrendo, e há também quem ainda é só um alvo ainda inalcançável para essa violência que começa das formas mais sutis no escritório do trabalho, na sala de chefe, na sala da faculdade, na balada quando algum mané se acha no direito de chegar pegando apenas por a menina estar com uma roupa curta. Ainda não entendo a lógica dos dias atuais onde a mulher é vagabunda e a culpada pelo abuso e violência sofrida pela roupa que veste. Como também não vou nunca ser capaz de entender quem sente prazer no desprazer, com a dor e na fragilidade do outro em algo que deveria ser uma coisa mútua.

            A cada 12 segundos uma mulher a mais revela que sim, isso é uma luta de todos, 12 segundos é mais uma mulher para nos dar certeza de que isso pode chegar a nossa porta, como pode ter acontecido com pessoas próximas a nós que ainda não teve coragem de nos contar, de pedir ajuda, de gritar por socorro, de gerar em mais pessoas a revolta com a impunidade...

Porém ainda espero que tal agressão, tal desvio de caráter e personalidade não precise bater em nossa porta, ou abraçar um dos nossos amores para nos inquietarmos o bastante para notarmos a extensão do problema, para entendermos que a luta de uma a cada 12 segundos também é nossa, precisamos sim  ter um  lado, precisamos sim vestir a camisa, precisamos de uma posição, e precisamos lutar sem que haja vítimas especificamente ligadas a nós se não fizermos isso seremos alguém na lista, alguém a mais em um conjunto de muitas, lutarmos jutos não é feminismo é união fazendo força para exigir o respeito e o limite que nos cabe, lutar para que cada vez mais pessoas não se sintam inseguras ao sair de sua casa

             E a luta começa em casa, começa em ensinar o filho  a receber um “não” em não erotizar TUDO. Em ensinar limites e a respeitar os limites do outro.. Em ensinar a  menina a exigir que seu corpo seja respeitado.. Sem essa de “ segura suas éguas que meus cavalos estão soltos”.

Toque.. beijo... sexo... carinho sem consentimento é violência... NÃO CONFUNDAM A REALIDADE!

 Estupro não é sexo, estrupo é violência, violência não traz orgasmos.

domingo, 9 de abril de 2017

Quando Casar Sara

 (Você pode ouvir ao som de Impressionando os Anjos )

 Quando nos machucávamos e corríamos para minha avó, chorando e mostrando os machucados, ela  nos beijava, as vezes colocava no colo e nos falava " Quando casar sara.", aquilo não amenizava a dor, mas amenizava o choro, a manha, pois quem se importava se quando casar sararíamos faltava tempo para casarmos.
         
         Hoje, 20 anos depois entendo o que ela dizia sem dizer com aquela frase, ela ensinava a mim e a aos meus primos que algumas coisas precisam de tempo, com o tempo hematomas desaparecem e feridas abertas nos dão sinais do tratamento a ser seguido, com o tempo feridas tratadas se tornam só cicatrizes, com o tempo frustrações e magoas são esquecidas ou resolvidas, tratadas ou ignoradas, com o tempo crianças tornam -se adultos... Como bem disse  Caetano "Tempo tempo tempo tempo és um dos deuses mais lindos. Tempo tempo tempo tempo".

    Quando estávamos  tristes ou chateados com algo, ela nos fazia um chá, geralmente de canela, e dizia que um bom chá quente aquecia o peito e acalmava o coração...
Hoje, com a morando no céu, sem nunca ter se mudado do meu coração, hoje após uma noite ferrada, hoje sentada em uma praça com uma caneca do famoso chá de canela que hoje é o cheiro que me lembra a vovó, vendo o vai e vem das pessoas, ouvindo pássaros cantarem enquanto tento ler para afastar a frustração, me dou conta de que já são quase dois anos, me virando aqui sem ouvir os conselhos dela, sem ter o colo, e sem o lembrete de que o tempo levará consigo a frustração da noite passada e todas as outras que possivelmente virão a existir.

    Hoje a chá de canela que tanto me lembra ela, não aqueceu meu peito o suficiente para aquietar meu coração, hoje lembrar que "quando casar sara" não me traz muita esperança de que algumas coisas serão saradas, hoje o tempo me fala da falta e o chá de canela me fala de colo, e mais frequentemente da falta de colo, me fala que muitas vezes as pessoas vão apenas escutar o que eu vou dizer, sem se esforçar ainda que minimamente para  me ouvir, pois sim, existe uma gritante diferença entre escutar e ouvir...

    Quando você alerta alguém que o caminho para chegar com você ao ápice, do estar, ao pico, à proximidade não é aquele eu percebo que falta pessoas que  façam nossa alma relaxar sem precisar nos pedir para nos acalmarmos, percebo que muitas pessoas ainda não entenderam que estar junto não é apenas permanecer em corpo físico mas em intenções... 

    O incomodo aumenta, então jogo o livro para um lado, e em um pedaço de folha escrevo este texto, dou um gole no chá, que rapidamente esfriou, concluo que  as relações hoje, são como o meu chá.
Deveriam aquecer, mas vão se esfriando, deixarão de aquecer, já não haverá proposito, perderá o sabor, que facilmente será esquecido.
 Hoje, após um certo tempo em que minha vó me ensinou tanta coisa, acho algumas que ela não me ensinou... Como impedir que meu coração fosse partido, ou como não deixar  o chá da caneca esfriar enquanto me distraio, ela não me ensinou então...

       Então eu completo as lições que ela me ensinou com experiencias  minhas, e percebo que não existe pessoa fria, existe quem  aprendeu a bloquear os sentimentos, existe quem entendeu que cedo ou tarde todos vão acabar mentindo e só que por motivos diferentes, é aquela coisa "geralmente, geral mente", hoje sigo completando as lições, certa de que  o tempo e a vida revelam sim, "quem sim, quem não e quem nunca", mas também fará com que  tomemos decisões em relação ao que ela me mostrar,  sigo cada vez mais convicta de que não quero relações  meia boca, não preciso de mais uma relação e uma caneca  de chá fria e sem sabor, não quero que seja preciso casar  para ser feliz, nem sei se quero mesmo casar  ( vó foi mal, mas fico com o mineiro kkk nunca me esquecerei disso...)
      Quero que o tempo me torne, mais forte, mais feliz, mais convicta de que tudo  é uma questão de escolha, uma decisão... Quero saber cada vez mais que todo machucado tem cura, todo problema  tem solução, de que quem sete vezes cai levanta oito, que tudo se resolverá quando eu decidir  me empenhar  em resolver, quero ser capaz de reconhecer quem verdadeiramente escolhe voltar  pois deseja dividir comigo a vida, o choro, o colo, o beijo, a pele e uma caneca de chá....

    Sendo assim... Obrigada vovó por todas as lições, mesmo que algumas delas eu só tenha compreendido após não ter mais suas mãos pra me afagar... obrigada por  fazer de mim parte do que sou.... e só mais uma coisa " E NO MEU CORAÇÃO, AONDE QUER QUE EU VÁ, SEMPRE LEVAREI O  SEU SORRISO EM MEU OLHAR!".

quarta-feira, 29 de março de 2017

Um Status de relacionamento não te define

Somos uma geração que gosta de ostentar, e isso é inquestionável, somos uma geração que gosta de se exibir nas redes sociais que por sinal são tantas que nem sei como tanta gente consegue alimentar tudo, levei um tempo para entender que o que mostro nem sempre é o que de fato sou, mas o que mostro faz  com que as pessoas me vejam de tal forma. E o que me preocupa é que essa necessidade de exposição tem chegado aos relacionamentos...

E os namoradinhos? Ele não quis ir pra cama contigo, pois ele é gay! Ninguém nunca viu ela com namorado, ela é lésbica certeza... Ah, mas no facebook dela não tem foto com nenhum cara, de duas uma ou ela tem rolo com cara casado ou é sapatão mesmo....

Oi? Para o mundo Deus que eu quero descer...
É incrível que nossa sociedade se incomode tanto com a liberdade sentimental que envolve a vida do outro, por mais que eu pense não consigo entender qual é o problema de viajar sozinho, ir ao cinema, a pizzaria sozinho, qual é o monstro de sete cabeças que assusta a sociedade no simples fato de aproveitarmos nossa própria companhia, qual o erro em não aceitar qualquer relação, quando a escolha de ter ou não alguém do lado deve vir de nós mesmos e não do que as pessoas julgam ser certo.

É eu sei que parece clichê, mas se relacionar devia ser mais seguir seu coração do que a opinião do povão, e é aqui que a liberdade começa quando nós não somos privados do direito de escolha pois não ficaremos livres da consequência delas, estava conversando com uma pessoa esta semana e acabei constatando que sou de outro planeta e fui esquecida aqui por um motivo qualquer, ele me disse que busca alguém para construir as coisas juntos, e fiquei pensando: Ta, mas esse construir vem  assim de imediato? Você bate o olho e pronto está lá de imediato e pronto, vamos casar pois os sonhos e vontades são os mesmos...
E vamos lá alterar o status do facebook e contar pra todo mundo o que Deus, fez por mim e mostrar pra um  monte de gente que questionou nossa solteirice que ela acabou e ala poderá então nos dar parabéns, como se ter alguém fosse uma meta inalcançável para alguns....
Acho sinceramente que ainda chegaremos aos tempos de encontrarmos alguém nos classificados dos jornais...

“Procura – se HOMEM para relacionamento sério, de preferência sem filhos, que trate bem a mãe ou que de preferência não tenha mãe, afinal sogra é um atraso de vida, que tenha corpo malhado, mas há nenhum problema se ele for um pouquinho gordinho.... Que goste de ler, afinal de contas nem só de corpinho se vive um relacionamento...”

Ahhh me poupem né... Qual o problema de não querer abri mão de algumas coisas? Qual o problema de gostar demais da minha liberdade? Qual o problema de não querer ir para o altar assim nos 5 minutos do primeiro tempo? Qual o problema de quem só quer transar e pronto, não precisa me ligar amanhã, não precisa mandar flores? Isso aí nenhum problema, não há nenhum problema pois um status não me define...

Ninguém é homossexual, apenas por não ser visto com ninguém, as pessoas não podem mais serem discretas, não podem mais querer preservar sua vida pessoal? Precisa mesmo fazer postagem no face a cada mês de namoro? Não, como cada um é diferente do outro as necessidades também podem variar, o que é fundamental pra um pode ser besteira pro outro e pronto, bola pra frente que o mundo não vai mudar por causa de ninguém não...

Fico aqui me perguntando quem foi o filho da mãe que colocou na cabeça da humanidade que todo mundo tem sonhos iguais? Quem foi que educou as pessoas para acharem que solteirice é sinônimo de derrota social e namorar é conquista para vocês darem parabéns? O mundo tem virado só status, ai vemos aquele relacionamentos mais sem futuro se arrastando com a barriga e aplaudimos afinal o casal é lindo pra sociedade.

Namorar ou ser casado só significa que você encontrou alguém que vale a pena tentar se reajustar, e pegar a sua parte completa e unir a parte completa dela e ambos serem felizes por fazer o outro feliz, significa que você está bancando seu desejo de querer alguém na sua vida. 
Para mim, não existe essa de escolher alguém, como uma grande amiga diz a gente não escolhe presente, e sim eu acredito que amar alguém é um presente que a vida se encarrega de trazer quando nos permitimos, quando estamos aptos para vivenciar, para cuidar sem prender, para ter sem aquele sentimento ridículo de posse que sai bloqueando todos os contatos que você não conhece das redes sociais do outro.

 O que me leva a outro fato, eu postei uma foto com minha sobrinha, onde ela dormia nos meus braços, o que eu ouvi de  “Ah  você leva jeito pra ser mãe”, quando discordei, a pessoa disse que toda mulher tem em si o instinto de ser mãe e eu discordo, acho que não se trata de nascer para aquilo, se trata de escolher ou não viver aquele momento e é simples assim, mas nós privamos o outro de fazer suas escolhas, nós queremos a todo custo implantar nossas “verdades” e “ razoes” como certas na vida do outro...


Temos que nos permitir? Sim, mas se o outro tem que nos convencer de qualquer coisa, isso já significa que ficar solteiro dará menos dor de cabeça, o que eu vejo é um tanto de gente carente achando que namorar é solução, não solução para carência é chocolate, o amor é raro e tem que ser com quem vale a pena aprender a equilibrar as coisas, famílias, amigos, series, e relacionamento, e isso só é possível quando proclamamos nossa liberdade para não ser preciso exigi-la.

sábado, 4 de março de 2017

A Vida É Trem-bala Parceiro

      Eu estava  aqui escutando a  música “Trem- bala” da Ana Villela e acabei viajando nas  verdades contidas nela, que fala tanto e tão sutilmente da fragilidade do nosso ser, para quem não sabe a Ana  Villela escreveu essa música após o avô dela  falar que estava  preocupado, pois os amigos dela não estavam mais indo a casa dela...

      E fiquei aqui lembrando de como não existe um meio de pensar na vida  sem lembrar-nos da morte ou de pensar na morte sem automaticamente ser remetido a vida.... E a cada instante me convenço mais de que, a vida e a morte são complementos de si...

        Trabalho há 5 anos em uma empresa funerária e não teve um dia destes 5 anos em que  eu não tenha  escutado coisas  do tipo “você não tem medo de trabalhar aqui não?”, “Você não tem medo de  ficar  aqui sozinha não?”, “Como você aguenta olhar para esse tanto de caixão?”, “Eu não conseguiria trabalhar aqui!”...

        O que as pessoas  não entendem é que a morte é a  certeza da vida tanto como  a vida é a certeza  da morte, mas nós ignoramos....
 Ignoramos os  recados, as certezas, momentos, ignoramos o tempo... Vamos boicotando aqui, protelando lá...  E de repente acaba, e quando acaba é que vamos falar do amor, do afeto e da administração...

        Em seu diário Anne Frank escreveu “Os mortos recebem mais flores que os vivos porque o remorso é mais  forte que a gratidão.” E querem saber o que me  encanta nessa frase? Que uma  menina de aproximadamente 15 anos que passou cerca de uma ano presa para sobreviver tenha percebido o que não enxergamos gozando de algumas  liberdades que insistimos em não  viver... Não bastando  Anne ainda diz uma  outra verdade  que ignoramos “As lembranças são mais importantes que os vestidos.”


         Somos  tolos esse é o grande ponto. Somos tolos, mas  jamais poderemos dizer que não fomos avisados... Sim fomos avisados, pelas músicas, pelas partidas inesperadas, repentinas, comoventes e tantos outros adjetivos possíveis e imagináveis....
Fomos avisados a cada segundo que alguém apenas o escorregou a tênue linha entre vida e a morte, mas  como assim não sabíamos que alguém iria embora e  por isso não demos o último beijo ou o último adeus???? Sim, sabíamos que aconteceria, porém não sabíamos quando... A questão é que  o “quando” é variável para cada indivíduo, a como a  Ana  Villela nos  lembrou “A vida é trem-bala parceiro e a gente é só passageiro esperando partir...”


          Sim, eu sei que o assunto é  maçante, porém é o que ninguém entende de forma real e  profunda... É só não entendemos pela  ausência das certeza de que  vivemos  como se  soubéssemos que íamos morrer, o tempo passa e sequer vemos até que é tarde  demais, tarde demais para falarmos o quanto é  como amávamos, admirávamos....

         E  porque desse assunto maçante? Sabe qual a  vantagem de  trabalhar em uma  Funerária? ( É acredita ele existe!) É que podemos  entender isso de perto, de dentro, com listas ampliadas que o desespero da perda muitas vezes é remorso pelo que não foi feito, pelo amor  não entregue... Nossa humanidade nos faz ter saudades e isso é fato, mas é essa mesma  humanidade que nos diz que devíamos fazer mais, mais que cantar “gostava tanto de  você”, precisamos aprender a conjugar o verbo no tempo em que temos... O agora...

      Estar onde estou me fez entender a morte e foi caminhando bem na margem desse momento, ajudando quem passa por ele, quando eu mesma passava por ele que entendi a importância de dar o que tenho, sem mas, sem medo, sem reserva ou receio... Foi só nesse trabalho e nas coisas que vi, nas flores que cuidadosamente coloquei em cada corpo, nas lágrimas que por Deus e para Deus enxuguei e  orei, que eu entendi o que hoje  é canção “A vida é trem-bala parceiro e a gente é só passageiro esperando partir.”

     Agora eu pergunto a você...
E se Deus te desse só o amanhã, para sentir o que nunca sentiu, para ver o que nunca viu, para uma  última oração... Qual seria sua última oração? O que sentiria? Seja mais que uma razão pela qual viver, tenha uma causa pela qual morrer!  Se é preciso intensidade aqui seja intensamente amor, intensamente verdade, intensamente alguém que viveu como quem soube que iria morrer, para que ao morrer as pessoas saibam que  você morreu como quem soube  viver

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Sobre a tola mania de achar que sabemos o que é melhor para o outro

Há quem diga que eu sou “grossa”, bruta ou ríspida, mas é convivendo comigo e com meu domínio próprio que descubro diariamente que  já sou um amor  de pessoa...

Hoje de manhã enquanto comprava meu café encontrei com alguém que me disse:
“ - Wanessa ouvi falar que  vai ter concurso da prefeitura pra sua área porque  não tenta é melhor que trabalhar onde você está...”

Eu olhei, sorri e disse  que  pensaria a respeito...

E estou pensando! Pensando em como temos a mania idiota de achar que sabemos o que é melhor  para o outro, com somos  rápidos em achar  falhas na vida do outro e de algum modo colocar uma  trave no olho para a nossa própria realidade. Sem saber os  motivos e razões para que o  outro esteja permanecendo onde  está...

Em outros tempos,  essa colega ouviria uma verdade daquelas  tipo: “Quando eu  estiver insatisfeita com meu trabalho eu te dou meu currículo para você espalhar” , mas  hoje... Hoje apenas  sorrio porque  palavras “idiotas” e gente "idiota" só merecem um sorriso e nada mais que isso...

Petulância a nossa achar  que  sabemos o que  o outro deve fazer, onde  trabalhar, quando se casar, com quem namorar, como namorar, quando ter filhos e quanto filhos ter, petulância a nossa achar que  os  tempos e as vivências deviam ser  iguais e orquestradas, que baita petulância fazer a linha do tempo de um indivíduo que não é nós mesmos...

Aos  19 namorar e entrar para a faculdade, aos  25 se formar, ter conhecido pelo menos 3 países além do seu, aos  27 casar, ter  no mínimo 5 anos  de  casamento antes de ter  filhos e por  falar em  filhos só dois está de  bom tamanho....

Afffff.... Que coisinha sem graça, que vidinha  medíocre...
Mas porque  fazemos isso? Será que o outro é tão retardado a ponto de não poder fazer suas  próprias escolhas? Será que ninguém pode mudar as ordens dos fatores sem alguém para ficar torrando? Será que  todo mundo tem que  deixar o trabalho que  está pagando as  contas, para o qual muitas vezes temos que nos arrastar, por  cansaço, por chefes inflexíveis que gritou contigo para  uma coisa que fizemos  errado, anulando mil e duas outras  coisas que foram acertadas, para ter um trabalho que te cause  borboletas no estômago?

Se assim for  acho que estamos dando o nome errado para o que coloca comida na  mesa... No lugar  de trabalho devia se  chamar  “parque de  diversões”.
 Sim meu  trabalho me  cansa, sim meus horários são inflexíveis, sim meus chefes são confusos muitas vezes e me  tiram do sério, sim eu perco muita  coisa que  posso me  arrepender futuramente, sim tem dias que eu não quero vir trabalhar, mas  existe um motivo pessoal no fato de  ainda  permanecer nele, como tudo ele tem pós e contras, tenho dias  terrivelmente corridos e outros de  dar pra cochilar  sentada, mas é a minha  escolha... É onde eu quero estar no momento, ou pelo menos em boa  parte dele...

E quando não for  mais assim, hora de procurar outras coisas...
Eu sinceramente acho o máximo quem consegue unir sua paixão ao seu ganha pão, quem consegue levantar cedo dançando porque vai trabalhar em algo que gosta, eu realmente admiro quem consegue  correr atrás do que  quer  independente de  como as  contas do mês serão pagas, eu verdadeiramente me intrigo com pessoas que  não trabalham mas  conseguem viajar  nas  duas férias do anos.

 Mas  essa é a realidade delas e não  a minha... E sem que alguém precise me  dizer que caminho tomar, até porque me  conhecendo é bem provável eu perder um bom salário por  algo relativamente menor que  isso, é bem provável eu escutar e analisar a opinião do outro  e mesmo assim não a  julgar adequada pra  mim...

Não tenho medo de  trabalhar pesado, não tenho medo de  fazer  horas extras muitas vezes não remuneradas, não tenho medo do não reconhecimento do outro para o que  eu faço, porque eu sei quem sou, sei quem está comigo, sei o que é quem são  verdades em minha vida, não preciso de  milhões na  conta se eles  servirem apenas  para pagar minha  psicóloga isso não terá sentido algum pra mim, pois enquanto muitos  vivem de  paixões eu decido enfrentar os perrengues que o amor  traz consigo...

O meu mundo não é cor de  rosa, não tenho só dias  felizes, na  verdade na  maioria das vezes minha alegria é triste, mas  de uma  coisa  tenho certeza, eu tenho o que  é quem preciso é eles são multicoloridos exatamente iguais ao meu astral, a minha  visão, meus desejos... E  encontrei eles  após muito voar, os  mantive apenas  por  ser  o que  precisavam, sem cobrança, sem promessas... E com esse meu jeito agridoce....

Então na  próxima vez que  formos  tentar dizer  o que  é melhor   para o outro que  nos recordermos que  Deus nos  deu só uma  vida pra não intrometermos na do outro....

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Confesso Que Talvez...

Foto solicitamente cedida por Alexandre Cavarzan

                                                  Confesso que talvez, eu devesse parar de assistir filmes para te esquecer, todos eles dos "de época" aos de "terror".

Talvez, eu devesse parar de conversar com quem conhece  nossa  historia e me ajudou a sair dela, talvez eu devesse parar de ouvir musica, e não olhar mais para o meu violão, pois sempre me lembro de você o tocando, e o som dele era mais bonito quando você o tocava, pelo simples fato de ser você tocado, e sua voz rouca e ao mesmo tempo tão doce se unindo perfeitamente a cada acorde.

Talvez eu devesse parar de escrever, pois me lembro de como você me apoiava a ser uma escritora, a sua escritora....

 Talvez eu devesse deixar de gostar de crianças, para não lembrar dos planos feitos ao encontrarmos com uma enquanto caminhávamos de mãos dadas, na verdade acho mesmo que eu deveria criar uma antipatia por crianças assim não sentiria a tua doçura manifestada por meio delas.

Talvez eu  devesse amar o sol, pois o calor que ele me traz se assemelha quase que perfeitamente ao que você trazia a mim em cada abraço. E por falar em abraço está aí mais uma coisa da qual devia me livrar....

Tentar te esquecer é o mesmo que tentar  roubar de mim mesma, cada memoria guardada de tudo que nós vivemos, te amo com a mesma intensidade com que amo poder falar a verdade, a lealdade e a fidelidade e se me livrasse de cada talvez, estaria me desfazendo da minha essência, da minha vida, sim o mundo precisa de mais duvidas então duvido...
 Mas  em meios as dúvidas preciso da certeza de que você estará sempre vivo, atuante e constantemente em mim, em simples e meros "talvez".

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Não dá para ficarmos juntos

Ao som de Jack Johnson em uma música que fala sobre não precisar sair de casa pois chove, da inutilidade de acordar cedo quando podemos acordar tarde e sobre fazer panqueca de banana, me recordo do beijo que te dei hoje....

        Sim, eu te beijei hoje na rua, como você fez comigo semanas atrás, talvez tenha feito isso só para ter certeza do que senti, ou será que ainda sinto?
Talvez tenha te beijado para que soubesse que também sei fazer isso, de ser espontânea quando quero....

    Engraçado dizem que as diferenças se atraem, se encaixam, mas não foi assim conosco.... Pois agora, ao som de Fernando e Sorocaba, em uma música que diz que as razões que me impedem de estar com você vai além de te amar, além de querer tenho apenas uma certeza NÃO DÁ PARA FICARMOS JUNTOS... 

E me questiono os porquês desse não poder, não dar.... O não do não... Porém as conclusões me levam sempre ao mesmo caminho, como quem caminha sem sair do lugar.
     Sobretudo nunca poderemos dizer que não tentamos, mas acho que está claro NÃO DÁ PARA FICARMOS JUNTOS, pelo menos não agora, não por enquanto, mas pode ser que simplesmente nunca chegue o momento de ficarmos juntos, e não há mais motivos para falarmos sobre isso... Parece que conversar e chegar a um acordo também não é algo que funcione para nós...

Não ousaria usar a incompatibilidade como motivo, para não estarmos juntos, pois na realidade sabemos que há muita compatibilidade, porém pouca compreensão, há muito querer para pouca disposição.... É exatamente aqui que a coisa toda fica estranhamente... confusa!!! Sabemos que há um monte de outros motivos atrapalhando um querer, rs.... Como você bem disse "se fosse só querer, se dependesse só de mim..."

É tão louco que as prioridades de nossas vidas sejam  justamente o que nos impede de  ficarmos juntos, que  chega a ser idiota, o quanto apesar de sermos adultos, e  um tanto quanto bem resolvidos enquanto pessoas conseguimos ser imaturos a ponto de não sabermos e fazermos dar certo... 

E Existem tanta coisa a serem resolvida em nossas vidas...

           
Hoje, após te beijar, após agir pelo tal impulso do qual você sempre me falava que talvez eu precisasse para alçar voo, me peguei pensando será que essas coisas serão resolvidas? Será mesmo que esse querer não devia ser o bastante para não sermos infantis e fazermos dar certo? 

Mas o que é fazer dar certo? Como fazer dar certo? Essa não é uma sensação nova para mim, não há nada de inédito em querer alguém, mas ter algo maior que o interesse mútuo, impedindo o “nós” de acontecer, e pra ser bastante sincera? Isso me frustra... Me vejo diversas vezes pensando como um querer pode ser menor que o preço para estarmos juntos?

Mas eu sei, eu sei que dizer quando me perguntarem, sobre o por que não me envolver, é que na verdade tem mais com o que o outro está disposto ou não a trazer da vida do outro, para a sua vida.

Relacionamentos são como pacotes telefônicos que adaptamos, e as vezes mil palavras de amor pra serem ditas tornam-se vãs quando ditas demais para demonstrações de menos. Diferente do que se pensa, as relações não existem para nos somar ou nos transbordar, elas devem nos equilibrar a ponto de nos fazer ceder a necessidade de se adaptar e acolher.

Será que vai melhorar? Será que as barreiras deixarão de ser intransponíveis? Dói ter que aceitar que... Que de alguma forma, não existe a gente juntos... queria que apenas o bem que me faz te ter aqui fosse o suficiente para nos mantermos na vida do outro, dormindo até tarde, e acordarmos com panquecas de banana ao som da chuva, como sugere Jack Johnson, que se reinicia, na play list das musicas que escutávamos juntos..

Agora cá entre nós... é uma pena não existir a gente juntos...

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O medo e a fé caminham de mãos dadas

Mas, quando reparou no vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: "Senhor, salva-me!" Mateus 14:30

      É interessante pensarmos na  vida de  Pedro e  saber que  apesar  de uma fé vacilante, Pedro atraía para si o amor de Jesus na  mesma  medida que era  atraído para o amor  de Jesus, Pedro me fala de  Intimidade...

     Em alguns casos, intimidade também é entendida como "toma aqui meu coração faça dele hambúrguer", nós nos expomos para sermos íntimos, nos deixamos ser conhecido e isso  é perigoso e assustador mas, é tão inexplicável quando colocamos Deus na outra ponta... Pois, ele  nos conhece até mesmo onde nem nós mesmos somos capazes de  conhecer...
Intimidade é levar alguém pro seu quarto enquanto você troca de roupa e não sentir vergonha por  isso...

       Pedro não escondia de Jesus nem mesmo suas mazelas, e isso o fazia viver o inédito de Jesus...
Precisamos entender que Jesus é movido por momentos, e ele nos  procura chama pelo nome  e nos lembra quem somos... E Pedro sabia quem era, sabia o que sentia e deixava  seu mestre também conhecer. Nos falta isso hoje, não sabemos quem somos e  por  isso tememos a repreensão de assumir que nossa fé também titubeia...

Dias  difíceis? Sim!
Dias assustadores? Em demasia!
Dias de medo roubando a fé? Pois é porção de Pedro em mim...
Dias de solidão? Sim, apesar de contar com bons amigos...
Dias de  lágrimas? Pois é...
 A verdade é que somos “meia boca”. Batemos no peito alegando preferir as  verdades, mas  somos loucos por  um tapinha nas costas, somos a hipocrisia vestidos fajutamente de  cristão, somos Pedro querendo ser Paulo, somos Marta querendo  ser  Maria... Por isso o medo rouba a fé, quando sabemos quem  somos, assumimos também as mazelas e medos existentes, somos quem somos sem medo de Jesus não gostar...
      Não sei se existe um meio do medo não roubar a fé, não sei mesmo. Mas  há um versículo no livro de Jó que  diz que: “Ao cheiro das águas brotará como planta nova, seus  ramos  serão renovados, seus frutos  não acabará mas  viverá... (Jó:14-9)

     Precisamos apressadamente entender que não é errado ter medo, não é errado o medo roubar a fé, você não precisaria de Deus se  fosse totalmente forte e capaz, há humanidade em nós para que  ela nós lembre que existe alguém além de nós,  controlando o universo nas mãos que age quando mesmo sem entender o caminho, seguimos por ele cantando por sabermos  que ELE (DEUS) estará cuidando de tudo por mim, por nós, mesmo que eu precise estar  entre lágrimas....

     Ainda me  recordo de uma  conversa em que minha melhor amiga repetiu “vai valer a pena” incontáveis vezes... Ainda me  recordo de  pensar “não era isso que eu queria  ouvir. Não mesmo” rs...
Hoje eu entendo qual era a intenção dela, e era me mostrar que a desesperança é o deparar com minhas  limitações humanas, para entender enfim que  a esperança nasce quando  a  fé teima em acreditar, a fé é a teimosia  de  vir a existir... A esperança é apresentar o Pedro que  em mim habita a mim mesma, dando ao meu criador liberdade para me atrair, me  moldar, me  mudar até que eu seja como ele  precisa que eu esteja.

"Se no desapontamento a esperança nasce", que nossa fé continue renascendo, e que continue  valendo a pena...

     Que continue valendo a  pena ver o medo roubando a fé , só para ver ela renascendo de novo e  de novo....
Que continue valendo a  pena suas  renúncias e minhas  renúncias...
Que  continue valendo a  pena tentar reacreditar, que  continue valendo a  pena  mesmo...
E que mesmo quando parecer não mais  valer a pena, quando faltar palavras, sobrar medo, ou faltar vontade que  sobre a  certeza que  Deus é sempre quem nos sustenta no caminho, que em meio aos  furacões que virão vejamos que o "Descansar" é no colo daquele  que nunca nos  deixa...
Que mesmo no deserto ele  pinte um arco- Íris diante dos  nossos olhos...
Porque Deus só abre o mar, para os  filhos que colocam o pé na água apesar da possibilidade de  afundar, e esses filhos atravessam o caminho ainda molhado porém com a certeza de que há um Cristo sustentando a fé no caminho.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Eu amo gente, que é gostosinha de amar

Eu amo gente  que  consegue distinguir RELIGIÃO de RELIGIOSIDADE, amo gente que consegue mudar  atos sem arrotar santidade, amo quem se acha pequeno, quem olha  pra si e sabe bem quem era, e quem hoje.... gente  que sabe que é "errada, errante.. errando enquanto o tempo deixar."

Amo gente  que diz que vem e  vem, ou que diz que  não  vem e  simplesmente não vem.
Amo quem gasta mais tempo ajudando quem precisa do que  fuçando o que o outro posta no Facebook....

Amo quem quer  saber algo e  pergunta diretamente  pra quem sabe  melhor  da informação e não fica perguntando a terceiros... Amo quem chega mais perto e olha  devagar, quem olha para o que  a pessoa é independente do que a vida  fez com ela... Amo gente bem resolvida  consigo ainda que seja em pouco assuntos, amo gente  que  não usa maquiagem quando o assunto é se  deixar ser  conhecido...
Amo gente que entende que é melhor uma  pedra no caminho que duas  no rim, que  entende que  pra evitar a do rim deve  se beber água  mas a do caminho é crescimento e lição se em seus  olhos tiver atenção...

Amo gente que respeita o tempo do outro, que apoia sem cobrar, que  está junto sem muito questionar.....
Amo gente que sabe o que  não quer pelo menos, amo quem olha nos  olhos e tem coragem suficiente para assumir  erros e bancar desejos, é isso que nos torna  bem resolvidos...

Amo quem expressa seus desejos sem vergonha ou malícia, mas  com um certo pudor, na  verdade amo quem deixa claro suas  intenções sem Vulgarizam a vontade....
Amo quem deixa mais claro que subentendido, gente assim merece uma  afago especial, gente assim beija na  boca, gente  assim se  deixa possuir  pela  loucura do que  se sente, são pessoas que  protegem o que sentem e quem estão com eles  sem timidez...
Amo gente que  quer é faz acontecer, quem quer  beijar e  beija, que não usa desculpinhas, amo quem não fica em cima  do muro pra tudo, que é indecisa até perceber que  sempre teremos aquele  medo equilibrado pra tudo é por  isso é preciso tentar.. E dará certo pelo tempo que  tiver que  estar...

Amo gente assim porque é gente e um convite para me  achegar e morar... Amo gente assim pois elas são gostosinhas de se amar...

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Você vai ficar na minha mente...


    Sempre acreditei, que viramos história nas histórias das músicas que  compartilhamos com as  pessoas que amamos, nós nos escondemos nas músicas, para estarmos ali mesmo quando não pudermos estar...

Conosco não foi diferente, e embora agora não pareça, isso é bom... Hoje  eu soube que  você já tem um outro alguém, hoje  eu te  vi com um outro alguém.. tá eu sei que eu preferi colocar o ponto final, e não é que  saber que seguiu em frente me incomode.

Não, justo ao contrário...

      Mas é que hoje, após te ver com outro alguém lembrei da nossa playlist, lembrei... Lembrei dos nossos momentos rindo e andando naquela  estradinha  atrás da  sua casa, que nos levava até aquela  árvore que  eu achava linda e você simplesmente insistia que ela  era comum, lembrei do seu colo e de como seu coração batendo  forte em meu ouvido, recostado em seu peito me aquietava dá mais tenebrosa agitação...
Lembrei- me  de suas mãos travessas sempre respeitando meus limites, porém me lembrando que elas podiam bem estar ao sul da  minha cintura sem que os  limites fossem rompidos....

     Sabe aquela sua risada, para cada vez que  eu disse que  odiava  você mexendo no meu cabelo? Ao lembrar dela hoje, tive uma  só certeza você vai ficar aqui...
E eu enfim entendi a última  música do Tiago Iorc que você me  mandou, apesar de ainda achar uma baita covardia da sua parte terminar algo com Tiago Iorc me dizendo, que  “é bom que eu  vá e  vá sorrindo, muito embora você fosse chorar”, Nosso “amor sem onde” te manteria aqui quando desse  saudades...

      Sim, “tenho monstros para enfrentar, tenho portas para  abrir”, e por concordar que para o nosso amor  não existe onde, confesso que você vai ficar na minha mente, eu não irei assumir sempre tão pouco direi que é para sempre, mas  você estará escondido naquela  música da Cláudia Leite, que  vez ou outra eu irei ouvir não por gostar  da cantora, mas  porque assim, você estará aqui independente de onde estiver, voce estará até na minha série favorita, com seu ar de  Alex Karev ( McDreamy)...

     Você estará na  minha  mente, quando ouvir o seu nome.... Mas que sempre insistirei em te chamar pelas iniciais de cada nome, estará na minha  mente  mesmo quando minhas amigas  não me ouvirem mais falando de você, mas ainda assim você estará aqui....
Por todas  as coisas que aprendi com seu jeito chucro contrastando com o meu jeito marretinho... Eu nunca te  disse, mas  isso me  fazia querer  voar no lugar de estar parada olhando a  vida passar ou pegando minhas  lágrimas com as mãos...

     Você estará aqui e não só na minha mente, mas  naquela taça de vinho e naquele “não”  que  nunca vou entender... E estará até na  próxima vez que eu tiver que explicar para alguém  como o simples  cheiro de café me enjoa, sim eu farei quantos cafés forem preciso, mas me  recurso encher minha  caneca dele, você estará aqui quando eu mudar de canal é achar  uma  luta de  MMA   e olhar  para o lado vazio do sofá, e é aqui então que o nosso “ amor sem onde” me fará lembrar de cada um dos seus argumentos, sobre  porque  aquilo não é só dois idiotas se batendo e  deformando seus  rostos.... E confesso agora, que pra um peão chucro  você é bem convincente quando quer....

      É nesse momento então que  encherei novamente a taça de  vinho, colocarei aquela  música que  eu já gostava e que  você disse que era  minha por fazer planos  para uma  longa vida solitária, então certamente eu vou te  odiar de novo, quando me  lembrar que  você dizia me  ver pele e ossos dirigindo sozinha, eu vou encharcar o coração de vinho te odiando.

     Mas você... Ah você fará parte do que trago na mente, como lembrete da tenuidade do sagrado e do hilário, do santo e do profano... E eu sei que você insistia na ideia de que eu sempre sumia, nunca me soltava e nunca entregava as cartas que te escrevia, onde essa será só mais uma, mas nela eu te confesso duas coisas, que na verdade nem são palavras minhas, mas acho que o Iorc nem se  importaria de eu as  usar.... “Pouco importa se eu vou sofrer sem saber aonde foi. Sim, eu vou... É bom que  vá sorrido.” E..  “Eu tenho um mel que até as  abelhas invejam.”

Essa não é uma  carta de amor, eu sei! Mas é um pedido para que entendas quem não importa as prioridades serem diferentes, saiba apenas que  você ficará na minha mente, eu vou lembrar de  você, então apenas lembre-se também de mim, lembre da sua  menina que  te esconderá em uma  playlist que ela ouvirá novamente e novamente para te lembrar...

sábado, 3 de dezembro de 2016

E Deus onde estava?


Aperte o play da música antes de ler..
Bandeiras a  meio mastro, os olhares do mundo voltados para uma  nação em silêncio, um país em luto, o futebol em luto.... 71 familiares chorando uma  dor que  se  tornou de  todos, 71 sonhos silenciados... Uma equipe  que  foi em busca do título que resumiria  os esforços de sua  vida  profissional, que nos foi roubada....

Na  madrugada de  terça (29) o avião que  levava o time, equipe técnica e  profissionais que fariam a  cobertura televisiva do jogo, caiu matando 71 pessoas.... Se tornando o acidente de  maior  destaque do meio esportivo, e  revelando o quanto a humanidade ainda tem jeito... O País sentiu, o país chorou, dias  difíceis, dias de humanidade tantas vezes esquecida estar a flor da pele.... Mas  também houve quem perguntasse  E DEUS ONDE ESTAVA?

 Mas acho tal pergunta redundante... Deus  estava  onde  sempre  esteve PERTO... Tal pergunta me  dá a sensação de  colocarmos Deus contra a  parede, fazendo que  pareça que Ele  não sabia bem o que fazia... Acho que a pergunta certa é, ONDE NÓS ESTAMOS QUANDO  CATÁSTROFES ACONTECEM? E não digo no sentido físico e  geográfico  da  coisa, digo no sentido  espiritual mesmo, queremos a todo custo a resposta para a localização de Deus, mas  quão perto ou distante  estávamos de  quem sempre está perto?
 E  natural nos  entristecermos em situações como esta, porém o decisivo é como reagiremos a tudo.

A  morte é algo interessante, e  porque não dizer intrigante... Temos certeza que  passaremos por ela, mas não estamos e não estaremos prontos  para ela... O livro de  Jó: 14. 5 diz...
“Visto que os seus dias estão determinados, contigo está o número dos seus meses; tu lhe puseste limites, e ele não poderá passar além deles.”

Pois é, a morte  tem dia  de  chegada, e o irônico é precisamos passar por ela  para entendermos a  VIDA, entendermos o tempo que  perdemos, entendermos que muitas  vezes nos cercamos de  futilidades, nos apegamos ao passageiro e apagamos o que na real importância...

Vamos ganhando o mundo, ao perdermos à alma, vamos acumulando dinheiro e protelamos nossas riquezas... E ao ver o fim da vida de quem amamos descobrimos o quanto deixamos para depois o tempo que não mais volta...

Hoje o Brasil, se despede  de seus  filhos, entendemos um pouco do nosso  hino “ VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À  LUTA, NEM TEME  QUEM TE ADORA A PRÓPRIA MORTE”.
 Hoje esses meninos retornam ao seu lar, ao chão de suas  dores e delícias, e nos ensinam que a perda não nos afasta de nossa gente, hoje  famílias choram, o Brasil chora, orquestras ressoavam o quanto “mais perto queremos estar  de Deus, ainda que seja a dor que nos  una a ti. Pois paz e  descanso  seus braços dão...” A chuva se faz  a personificação de nossas almas nos dizendo que nem sempre  vencedores trazem medalhas, mas  que  “A QUEM HONRA, HONRA” (Romanos 13.7). UNICAMENTE PORQUE HONRA GERA  HONRA....

Que esses meninos sejam uma  voz, um grito para nos lembrar de amar  quando podemos, que  dias  como este nos  façam entender que a vida muda  de  lugar....

VÃO EM PAZ.... VÃO PRA DEUS....



Força Chape, pois a AUSÊNCIA FÍSICA É A CERTEZA  DO AMOR  QUE  FICA


domingo, 27 de novembro de 2016

Eu sinto força ao segurar sua mão

 Eu sinto força ao segurar sua mão

 Sou o tipo de pessoa que  presta atenção nas  coisas  do dia  a dia, há pouco tempo falei aqui, que  meu trabalho fica  próximo à uma  escola ( neste link  aqui você pode ler o texto ao qual me  refiro: Você não se veste como crente) hoje  não foi muito diferente, eu estava  na  porta  do meu trabalho lendo e  vi uma vó conversando com a  neta enquanto a  buscava na escola, em meio a tudo que a menina  vinha contando sobre a  aula, a  criança segurou a  mão de sua  avó e disse: VOVÓ EU AMO SEGURAR  SUA MÃO... A  vó sorriu e  disse  É EU SINTO FORÇA AO SEGURAR TUA MÃO....


  Sabem quando a conversa  do outro te  faz  rir? Eu parei a  leitura, sorri e fique as observando andarem de mãos dadas  até elas  sumirem do meu campo visual, só que  não sou apenas o tipo que presta atenção nas  coisas  do nosso dia  a dia  agitado, eu preciso  tirar daquilo uma  lição, e a  frase  EU SINTO  FORÇA AO SEGURAR  SUA  MÃO, não parou de  martelar minha mente....


    Me  recordo de poucas  coisas  do velório do meu irmão, porém uma das que  me  lembro sem que  ninguém tenha  me  contado, é que o tempo todo uma  das minhas  amigas  segurou a minha mão, não foi um simples  segurar  de mãos, foi ela  do jeito dela  me mostrando que ela  estava  ali, mesmo se eu não me  recordasse, ela  estaria ali quando eu não tivesse  palavras, quando ela não tivesse  palavras, ela  estaria  lá... Perto segurando minha mão, me ajudando a levantar..... ME DANDO FORÇA AO SEGURAR MINHA  MÃO!


   Temos  nos esquecido destas pequenas manifestações de afeto, temos  pautado nossos  sentimentos em declarações em redes  sociais (nada contra elas), quando duas mãos se encontram tocamos bem mais que as mãos, dizemos muito, sem dizer nada, unimos calores.... Vai além da pele  entendem?

  Ter uma  relação de pele com as  pessoas não é ruim, mas  como disse  Arnaldo  Jabor "Pele é um bicho traiçoeiro", não dá pra  fazer o que ela  pede  sempre que ela  pede, não  dá pra alimentar ela  sempre que  ela  tem fome  por  contato físico....


Mas  segurar as mãos..... Ah segurar as mãos dizem muito sem dizer nada, PRECISAMOS de nossas mãos para muita  coisa, ela  é sem dúvida a parte  do corpo que  mais  movimentos... É por meio delas  que  afagamos quem amamos em sua euforia, também é com ela  que  socamos  na  hora  da raiva....  É como se  nossas mãos fossem os  olhos da nossa pele...se os olhos  são as  janelas  da alma, as  mãos são a porta   para a pele....


Na  noite em que  perdi meu irmão, minha  amiga me  mostrou que segurar as mãos acalma, segurar  as  mãos é sofrer junto, é apoiar, ajudar a levantar quando sofremos, é abençoar....  Na  noite  que perdi minha  vó, minhas mãos joviais e quentes, segurando as mãos delas  marcadas  pelo tempo, e  cada vez mais  desoxigenada, pedindo entre lágrimas para que Deus não prolongasse  demais o sofrimento e  calasse  a  dor, pode ter  sido o alívio que ela  precisava... A liberação para  ir, com a certeza de que  ficaríamos bem.... Eu orei com ela, pouco antes dela  cruzar a  tênue linha  que a mantinha com quem a amava para se lançar nos braços do Deus que  a chamava...

 Eu posso ter sido a força que ela  precisava  para ir....


Nosso mundo, nossos dias, essa humanidade corrompida, se esquecendo cada  vez mais  de coisas tão simples, apenas me mostram o quanto distante estamos  de saber  falar  a linguagem de  amor  do outro, e sendo ainda mais  incisiva, esquecemos em algum lugar  do caminho  que  todo amor  começa em um toque , que  o toque é feito de contato... Temos  nos  tornado superficiais até nisso.... Temos muitos toque, temos contato de pele com um milhão de pessoas , mas  eles nada dizem, nada  contém, nada  são, nada  transmitem... São mero toques de pessoas vazias  sem nada  a  oferecer.... E assim os  amores  vão se perdendo na superficialidade  de quem é superficial....



 E assim afetos  vão perdendo forma, leitos de mortes se tornando o lembrete do tempo perdido, do abraço não dado, do "eu te amo" não dito... Aí mãos querem se  tocar.... Porém, é nesse momento que  o último aperto de mão cala  sua  voz, só que agora por  uma  eternidade para te lembrar do tempo que se  perde sem nada deixar....

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

A gente sabe bem o valor do que tem

  Existe um velho ditado idiota, que  diz: "As  pessoas só dão valor após perder"....
E sim eu discordo dele em gênero, número é grau, na  verdade Clarice Lispector  estava  certa  ao dizer que "CADA UM SABE EXATAMENTE O QUE TEM NAS MÃOS ANTES DE PERDER" ....

  Sim, ela  estava  certa...  Achamos que protelar algumas  coisas trará outras, e sim, sacrifícios são definidos por  prioridades mas conhecemos o peso do que sacrificamos, como também do que priorizamos..... Logo há mais verdade na frase dita  por  Lispector....

     Não acredito que  as  pessoas mudem, no quesito caráter, não mesmo. Acredito que  elas     se revelam, acredito que  as  verdades  virão à tona  no momento adequado, ninguém consegue  sustentar o que não é por muito tempo, cedo ou tarde o que aparentamos deixa de ser tão forte, cedo ou tarde vamos nos deparar como  "eu" negado, ofuscado, e escondido....

Cada um tem dentro de  si um mostro e um anjo, uma  porção de maldade e na mesma  medida de bondade, de mentira e  sinceridade... Ninguém é transformado em algo que  já  não seja. Porém cada  um é responsável pelo que  alimenta, em si é no outro....

Lá no fundo, sabemos sim quando alguém está mentindo pra nós, somos nós que  nem sempre estamos  com vontade de ver... (Há quem goste da verdade, como quem goste dos tapinhas nas costas...) Há quem prefira ser confrontado com a  verdade, que  abraçado pela mentira.... Pouco antes do avô de uma  amiga falescer pude ouvir algo que ele disse a ela, que está bem próximo da verdade "Há quem goste do zoio, mas há quem goste  da remela, como também tem quem goste  do nariz, enquanto outros gostam do que  saí do nariz." 

Temos a tendência de depositar no outro nossas  expectativas tolas, como a  culpa de sermos decepcionados, porém nos esquecemos que cabe a nós o que aceitamos, cabe a  nós a escolha de chegar perto a ponto de vermos a mentira e a verdade do outro, só que é mais fácil ser a  vítima, é mais se sentir  o coitadinho que assumir que o erro estava lá o tempo todo dando sinal e nós não vimos, ou não queríamos tee visto....

"Quem é de verdade sabe quem é de mentira." E isso não é coisa de  outro mundo, isso é coisa de quem olha para o outro devagar, com amor... E um amor tão grande  que não esconde nada, nem mesmo os defeitos, um amor  que  sabe  ver  o erro do outro e não deixar que  ele  seja  maior que as  qualidades existentes nele.....
Muitas vezes nos não queremos ver, a diferença entre o que o outro aparenta e o que ele de fato é.... Nós temos  também uma  parcela de culpa em cada  engano que o outro traz....

 Conheço casos  de  pessoas  que se  casaram mesmo sabendo que  o parceiro (a) tinha uma caso com outras pessoas, mas  ainda assim resolveram se casar, a situação não mudou e hoje  quem foi traído é a "vítima" de um parceiro infiel....
Suoerfu