Me Deixa Ser Sua Lembrança Bonita

    Há quem diga que o amor é aquela agitação que te dá quando você vê a pessoa, o tremer as pernas, o falhar da fala...
Há quem diga que ele é a calmaria de um abraço, o saciar de um beijo a certeza do pertencer ao se achar no olhar do outro.
    Mas eu.... Eu digo que o amor é a sua lembrança mais bonita, o equilíbrio da certeza do pertencer, do falhar da fala, a calmaria do abraçar e o tremer das pernas, o saciar de cada um dos beijos...o amor é a consenção o, é renunciar ter a razão e o calar de qualquer pronúncia. Ele é o que ele faz de você.
É o beirar a psicose das conversas bobas, mesmo que a memória não seja uma aliada, é jurar morrer sem a respiração do outro, mesmo sabendo que se a respiração do outro se findar, ainda permaneceremos vivos, e descontroladamente implorar por um seguir.... Mas segui juntos sem desistir, é permanecer quando a vontade for correr para a longe, para bem longe para ser sincera. É o construir alianças ser feliz por ter na mesma cama seu celebre inimigo.
     Não digo aquele inimigo que te faz querer mata- ló, mas sim aquele inimigo que te faz querer mudar e ser melhor, que te irrita tanto, mas que só ele mesmo te traz a paz necessária. Aquele que coloca a prova teus objetivos e intenções, que te faz querer deixar o sedentarismo da superficialidade dos sentimentos rasos é o despertar para "lutar" em manter...
O amor é a exposição da dor sem medo, é escrever cartas a punho ainda  que nelas contenham apenas um "que sorte a minha em ter encontrado você", é não temer, surpreender com o que não é esperado, enlouquecer de saudades após 5 minutos da última vez em que se viram, e fazer o outro gostar do que ele não gosta, por isso vir de você, e mandar um bilhetinho no trabalho com um "Me apaixono por você todo santo dia", o amor é fazer a pessoa corar e em seguida dar aquele sorriso de canto de boca, é acreditar que há tempo pra perdoar, sem fazer jus as coisas que não se teve, mas ter a dignidade de se culpar também pela infelicidade do outro, é aceitar que vez ou outra somos o monstro engolindo a expectativa e sonho do outro.
O amor é não temer perder a decência e pedir perdão, pois nem sempre pedir desculpas resolve, é fazer o senso do ridículo reivindicar o direito de assumir a sua culpa por esquecer o dia e o mês do primeiro beijo, por não reparar a mudança no corte do cabelo, na roupa nova, e confundir o aniversário de casamento com o dia em que compraram aquele cachorro com o qual vocês sorriram juntos várias vezes.
 É pouco estar na vida de alguém ocupando um lugar nas lembranças doloridas do passado. Amar é ir se tiver que ir, mas ir não temendo ser lembrado apenas como alguém do passado ou o melhor dos amores, ainda que vez ou outra a pessoa errada seja você, amar é desejar ser o melhor da pessoa, o melhor abraço, melhor afago, melhor sexo (porque não?) Melhor sorriso e sua paixão mais avassaladora.
   Eu só quero ser sua lembrança mais bonita, ainda que eu não seja o amor da sua vida, isso de ser o amor da vida do outro só é possível quando fazemos de tudo para não estarmos na parte da vida que o outro apagaria se pudesse, e lutar para permanecer na memória e não nos álbuns amarelados que serão jogados fora em uma faxina. Então me deixa ser... É me deixa ser uma recordação leve no meio de uma tarde difícil, me deixa fazer o carinha da padaria achar bonito a forma com que extraio os seus melhores sorrisos. Me deixa ser o papo filosófico sobre como Gonzaguinha tinha razão ao cantar, que a vida podia ser bem melhor mais não nos impede de repetir que ela é bonita, nas suas madrugadas de insônia...
Me deixa ser um abraço silencioso e duradouro e aquele carinho na ponta da orelha que você diz odiar, mas que o arrepio nas suas costas me implora para reprisar.... Me deixa ser a agressividade que te aperta contra a parede e te beija a boca, com o fato de que o mundo cala quando você me tem nos seus braços me chamando de lar.... Me deixa ser a certeza de que se um dia eu for apenas um passado para você, serei um passado que valeu a pena, e do qual se orgulha em ter vivido, esqueça comigo essa tolice de jurar ser eterno pois, isso não faz sentido para mim. Mas, me deixa viver a importância do nosso presente. Esquece comigo e ao meu lado o eterno, para ficarmos aqui deitados nos olhando, iguais... Inteiros... E entregues a beleza de ser presente sem pressa de passar, para que se um dia formos afastados, possamos ver beleza nisso de ser a boa lembrança de alguém, e esta beleza de ser a lembrança boa no outro, afastamento algum pode apagar.
Me deixa vai.... Me deixa ser sua lembrança bonita e seja a lembrança que nunca desejarei apagar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA PARA MINHA AMIGA

O perigo do "se"

As coisas que aprendi com você depois que te perdi