terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Sobre a tola mania de achar que sabemos o que é melhor para o outro

Há quem diga que eu sou “grossa”, bruta ou ríspida, mas é convivendo comigo e com meu domínio próprio que descubro diariamente que  já sou um amor  de pessoa...

Hoje de manhã enquanto comprava meu café encontrei com alguém que me disse:
“ - Wanessa ouvi falar que  vai ter concurso da prefeitura pra sua área porque  não tenta é melhor que trabalhar onde você está...”

Eu olhei, sorri e disse  que  pensaria a respeito...

E estou pensando! Pensando em como temos a mania idiota de achar que sabemos o que é melhor  para o outro, com somos  rápidos em achar  falhas na vida do outro e de algum modo colocar uma  trave no olho para a nossa própria realidade. Sem saber os  motivos e razões para que o  outro esteja permanecendo onde  está...

Em outros tempos,  essa colega ouviria uma verdade daquelas  tipo: “Quando eu  estiver insatisfeita com meu trabalho eu te dou meu currículo para você espalhar” , mas  hoje... Hoje apenas  sorrio porque  palavras “idiotas” e gente "idiota" só merecem um sorriso e nada mais que isso...

Petulância a nossa achar  que  sabemos o que  o outro deve fazer, onde  trabalhar, quando se casar, com quem namorar, como namorar, quando ter filhos e quanto filhos ter, petulância a nossa achar que  os  tempos e as vivências deviam ser  iguais e orquestradas, que baita petulância fazer a linha do tempo de um indivíduo que não é nós mesmos...

Aos  19 namorar e entrar para a faculdade, aos  25 se formar, ter conhecido pelo menos 3 países além do seu, aos  27 casar, ter  no mínimo 5 anos  de  casamento antes de ter  filhos e por  falar em  filhos só dois está de  bom tamanho....

Afffff.... Que coisinha sem graça, que vidinha  medíocre...
Mas porque  fazemos isso? Será que o outro é tão retardado a ponto de não poder fazer suas  próprias escolhas? Será que ninguém pode mudar as ordens dos fatores sem alguém para ficar torrando? Será que  todo mundo tem que  deixar o trabalho que  está pagando as  contas, para o qual muitas vezes temos que nos arrastar, por  cansaço, por chefes inflexíveis que gritou contigo para  uma coisa que fizemos  errado, anulando mil e duas outras  coisas que foram acertadas, para ter um trabalho que te cause  borboletas no estômago?

Se assim for  acho que estamos dando o nome errado para o que coloca comida na  mesa... No lugar  de trabalho devia se  chamar  “parque de  diversões”.
 Sim meu  trabalho me  cansa, sim meus horários são inflexíveis, sim meus chefes são confusos muitas vezes e me  tiram do sério, sim eu perco muita  coisa que  posso me  arrepender futuramente, sim tem dias que eu não quero vir trabalhar, mas  existe um motivo pessoal no fato de  ainda  permanecer nele, como tudo ele tem pós e contras, tenho dias  terrivelmente corridos e outros de  dar pra cochilar  sentada, mas é a minha  escolha... É onde eu quero estar no momento, ou pelo menos em boa  parte dele...

E quando não for  mais assim, hora de procurar outras coisas...
Eu sinceramente acho o máximo quem consegue unir sua paixão ao seu ganha pão, quem consegue levantar cedo dançando porque vai trabalhar em algo que gosta, eu realmente admiro quem consegue  correr atrás do que  quer  independente de  como as  contas do mês serão pagas, eu verdadeiramente me intrigo com pessoas que  não trabalham mas  conseguem viajar  nas  duas férias do anos.

 Mas  essa é a realidade delas e não  a minha... E sem que alguém precise me  dizer que caminho tomar, até porque me  conhecendo é bem provável eu perder um bom salário por  algo relativamente menor que  isso, é bem provável eu escutar e analisar a opinião do outro  e mesmo assim não a  julgar adequada pra  mim...

Não tenho medo de  trabalhar pesado, não tenho medo de  fazer  horas extras muitas vezes não remuneradas, não tenho medo do não reconhecimento do outro para o que  eu faço, porque eu sei quem sou, sei quem está comigo, sei o que é quem são  verdades em minha vida, não preciso de  milhões na  conta se eles  servirem apenas  para pagar minha  psicóloga isso não terá sentido algum pra mim, pois enquanto muitos  vivem de  paixões eu decido enfrentar os perrengues que o amor  traz consigo...

O meu mundo não é cor de  rosa, não tenho só dias  felizes, na  verdade na  maioria das vezes minha alegria é triste, mas  de uma  coisa  tenho certeza, eu tenho o que  é quem preciso é eles são multicoloridos exatamente iguais ao meu astral, a minha  visão, meus desejos... E  encontrei eles  após muito voar, os  mantive apenas  por  ser  o que  precisavam, sem cobrança, sem promessas... E com esse meu jeito agridoce....

Então na  próxima vez que  formos  tentar dizer  o que  é melhor   para o outro que  nos recordermos que  Deus nos  deu só uma  vida pra não intrometermos na do outro....

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Confesso Que Talvez...

Foto solicitamente cedida por Alexandre Cavarzan

                                                  Confesso que talvez, eu devesse parar de assistir filmes para te esquecer, todos eles dos "de época" aos de "terror".

Talvez, eu devesse parar de conversar com quem conhece  nossa  historia e me ajudou a sair dela, talvez eu devesse parar de ouvir musica, e não olhar mais para o meu violão, pois sempre me lembro de você o tocando, e o som dele era mais bonito quando você o tocava, pelo simples fato de ser você tocado, e sua voz rouca e ao mesmo tempo tão doce se unindo perfeitamente a cada acorde.

Talvez eu devesse parar de escrever, pois me lembro de como você me apoiava a ser uma escritora, a sua escritora....

 Talvez eu devesse deixar de gostar de crianças, para não lembrar dos planos feitos ao encontrarmos com uma enquanto caminhávamos de mãos dadas, na verdade acho mesmo que eu deveria criar uma antipatia por crianças assim não sentiria a tua doçura manifestada por meio delas.

Talvez eu  devesse amar o sol, pois o calor que ele me traz se assemelha quase que perfeitamente ao que você trazia a mim em cada abraço. E por falar em abraço está aí mais uma coisa da qual devia me livrar....

Tentar te esquecer é o mesmo que tentar  roubar de mim mesma, cada memoria guardada de tudo que nós vivemos, te amo com a mesma intensidade com que amo poder falar a verdade, a lealdade e a fidelidade e se me livrasse de cada talvez, estaria me desfazendo da minha essência, da minha vida, sim o mundo precisa de mais duvidas então duvido...
 Mas  em meios as dúvidas preciso da certeza de que você estará sempre vivo, atuante e constantemente em mim, em simples e meros "talvez".

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Não dá para ficarmos juntos

Ao som de Jack Johnson em uma música que fala sobre não precisar sair de casa pois chove, da inutilidade de acordar cedo quando podemos acordar tarde e sobre fazer panqueca de banana, me recordo do beijo que te dei hoje....

        Sim, eu te beijei hoje na rua, como você fez comigo semanas atrás, talvez tenha feito isso só para ter certeza do que senti, ou será que ainda sinto?
Talvez tenha te beijado para que soubesse que também sei fazer isso, de ser espontânea quando quero....

    Engraçado dizem que as diferenças se atraem, se encaixam, mas não foi assim conosco.... Pois agora, ao som de Fernando e Sorocaba, em uma música que diz que as razões que me impedem de estar com você vai além de te amar, além de querer tenho apenas uma certeza NÃO DÁ PARA FICARMOS JUNTOS... 

E me questiono os porquês desse não poder, não dar.... O não do não... Porém as conclusões me levam sempre ao mesmo caminho, como quem caminha sem sair do lugar.
     Sobretudo nunca poderemos dizer que não tentamos, mas acho que está claro NÃO DÁ PARA FICARMOS JUNTOS, pelo menos não agora, não por enquanto, mas pode ser que simplesmente nunca chegue o momento de ficarmos juntos, e não há mais motivos para falarmos sobre isso... Parece que conversar e chegar a um acordo também não é algo que funcione para nós...

Não ousaria usar a incompatibilidade como motivo, para não estarmos juntos, pois na realidade sabemos que há muita compatibilidade, porém pouca compreensão, há muito querer para pouca disposição.... É exatamente aqui que a coisa toda fica estranhamente... confusa!!! Sabemos que há um monte de outros motivos atrapalhando um querer, rs.... Como você bem disse "se fosse só querer, se dependesse só de mim..."

É tão louco que as prioridades de nossas vidas sejam  justamente o que nos impede de  ficarmos juntos, que  chega a ser idiota, o quanto apesar de sermos adultos, e  um tanto quanto bem resolvidos enquanto pessoas conseguimos ser imaturos a ponto de não sabermos e fazermos dar certo... 

E Existem tanta coisa a serem resolvida em nossas vidas...

           
Hoje, após te beijar, após agir pelo tal impulso do qual você sempre me falava que talvez eu precisasse para alçar voo, me peguei pensando será que essas coisas serão resolvidas? Será mesmo que esse querer não devia ser o bastante para não sermos infantis e fazermos dar certo? 

Mas o que é fazer dar certo? Como fazer dar certo? Essa não é uma sensação nova para mim, não há nada de inédito em querer alguém, mas ter algo maior que o interesse mútuo, impedindo o “nós” de acontecer, e pra ser bastante sincera? Isso me frustra... Me vejo diversas vezes pensando como um querer pode ser menor que o preço para estarmos juntos?

Mas eu sei, eu sei que dizer quando me perguntarem, sobre o por que não me envolver, é que na verdade tem mais com o que o outro está disposto ou não a trazer da vida do outro, para a sua vida.

Relacionamentos são como pacotes telefônicos que adaptamos, e as vezes mil palavras de amor pra serem ditas tornam-se vãs quando ditas demais para demonstrações de menos. Diferente do que se pensa, as relações não existem para nos somar ou nos transbordar, elas devem nos equilibrar a ponto de nos fazer ceder a necessidade de se adaptar e acolher.

Será que vai melhorar? Será que as barreiras deixarão de ser intransponíveis? Dói ter que aceitar que... Que de alguma forma, não existe a gente juntos... queria que apenas o bem que me faz te ter aqui fosse o suficiente para nos mantermos na vida do outro, dormindo até tarde, e acordarmos com panquecas de banana ao som da chuva, como sugere Jack Johnson, que se reinicia, na play list das musicas que escutávamos juntos..

Agora cá entre nós... é uma pena não existir a gente juntos...