terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Sinto falta e a saudades vai dizer....

Hoje a saudades de você bateu mais forte, no sono que não tive, nesta noite em que eu não dormi te procurei pela casa, a luz fraca do abajur na cabeceira da minha cama parecia entender perfeitamente minha ausência de força tão cheia de lágrimas, ela tremia como se fosse regida pela minha dificuldade de respirar...
Eu não te encontrei, na verdade sei que essa procura sempre terá o mesmo fim e não sei bem porque a faço, mas parece que você ainda está em minha casa, ou será ela é que está tão repleta de você? No amassado da porta do quarto, na sujeira de seus dedos nos interruptores de cada cômodo, no verde horrível e apagado das pinturas nas paredes, no cheiro dos seus cabelos sempre lavados que ainda esta lá cada vez que chego, no C
harlie Brown que insiste em não ser o senhor do tempo apesar de saber que vai chover...
Essa noite ali onde era sua cama, mas que hoje meu violão insiste em chamar de lar, ali as altas e tantas da madrugada, brincando de falar comigo notei quão solitária me tornei, e que envelheci 10 anos ou mais, meus medos mais ocultos hoje são a realidade mais temida porém vivida dia após dia, entre risos e lágrimas, desânimo e alegrias superficiais....
E no jardim a ausência de tons vibrantes que a vida costumava, ter entendi que talvez não seja a casa que me lembre você, mas meu DNA, o sangue O- igual ao teu que corre em minhas veias, minha herança genética, ou o nome dos meus pais no meu RG ou ainda o fato de que você era mais meu que eu jamais pudesse perceber...
A saudade que já não fala e agora grita, que me faz temer o futuro, e rir do que sou, essa mesma que dilacera golpes na armadura que eu costumava usar...
Vejo que me perdi em meio a força que me era exigida, e que lutar apenas por mim é um motivo muito banal para me reerguer...
Ah essa saudade dos teus sorrisos, dos teus olhos, do som da voz, das brigas por sua embriaguez e seu jeito louco e aventureiro, como se conhecesse a fundo a brevidade da vida, a curta fração de segundos que teimamos em chamar de existência.... Ah saudade que me faz entender a falsidade do "pra sempre", que sempre acaba, do apego ao que a cada minuto se vai, dos amores não verdadeiramente amados e por vezes não confessado...
Sou o que temia ser, uma solitária tentando se reerguer e aceitar que todo amor só e verdadeiro se manter vivo quem se vai pra não mais voltar, que mantém acessa a esperança de poder voltar a sonhar e viver o que há para ser vivido, de permitir não reter as lágrimas que ousarem correr... Só sei que sinto tua falta e a saudades vai dizer....

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Abandone as Rodinhas...


E no ímpeto de sentimentos recém descobertos, no auge de uma alegria momentânea, fazemos à algumas pessoas com as quais nos identificamos, promessas cujo peso não está nas palavras "CONTE COMIGO","Jamais deixarei você","Não vou desistir de você"... As promessas se arrastam até chegar a mais nociva "Pra Sempre estarei com você"

Tentamos acreditar nisto, mas lá no fundo sabemos que:
1. Das muitas pessoas que nos prometem estar perto sempre, mais cedo ou mais tarde falhará na sua promessa;
2. Não importa quem teremos ao nosso lado, chegará a hora em que quem está ao nosso lado não poderá nos impedir de ter Medo,Solidão, impotência....
Aprendi que poucos sabem amar mesmo quando se odeia e ficar quando se quer correr,aprendi que essa é definição de ALIANÇA. Aprendi também que não importa quantas pessoas eu tenha ao meu lado quando as luzes se apagarem, e todos forem para suas casas, é comigo mesma que poderei contar,ou com os poucos que no meio das angústias se tornam irmãos, e a verdade nua e crua das pessoas é  que MUITAS NOS DEIXARÃO QUANDO NÃO PUDERMOS SER QUEM ESTÁVAMOS ACOSTUMADOS A SER,QUANDO NÃO PUDERMOS MAIS SER A PESSOA DIVERTIDA QUE FREQUENTEMENTE ÉRAMOS, QUANDO TIVERMOS MAIS SILÊNCIO E LÁGRIMAS QUE SÁBIAS PALAVRAS E ORAÇÕES A SEREM FEITAS...
Aliás só me ama de verdade, quem permanece quando meus defeitos estão escancarados e ainda assim a pessoa está ali simplesmente porque escolher estar,só posso falar que amo e sou amada quando perdôo as grosserias, e tenho as minhas perdoadas, quando a inutilidade escancarada me faz ver força e não apenas feridas... Somos mimados, e não costumamos respeitar o tempo do outro, mas lá no fundo temos a consciência de que as feridas doem mais na pessoa em quem ela está aberta, e não pra quem a olha...
Então aprendemos a caminhar sozinhos, certos de que iremos cair, certos de que nos decepcionaremos com a possibilidade de que quem esperávamos estar perto,nos virará as costas...Mas aprender a ser só é como andar de  bicicleta. A princípio teremos rodinhas nos amparando e impossibilitando-nos de cairmos, mas chega o momento de abandonar as rodinhas e as muletas da vida, chega a hora de crescermos e amadurecermos...
Mas ao tirarmos as rodinhas vamos cair uma, duas,inúmeras vezes, vamos nos ralar e vai doer, mas poderemos contar conosco e com quem nos vê além da nossa inutilidade e além das feridas expostas, teremos com quem contar, mesmo que não seja quem esperávamos ter, mas quem merecemos ter... As pessoas das promessas ditas no início? elas irão embora cedo ou tarde... Mas você ainda estará lá pra você, ferido, chorando, mas estará...
Tenho caminhado por vales, por dias cinzas, tenho vivido momentos de tombos da bicicletinha kkk, sim estou ralada, e Vi pessoas  do "PRA SEMPRE" irem embora... E sim isso dói também...
Porém, não me arrependo de ter tirado as rodinhas, sem elas aprendi a ser forte, a superar,  a não descontar nas pessoas minhas dores, e apesar das minhas estranhezas tenho tido pessoas fiéis, as falsas? Vão logo e fecharei a porta pra vocês...
Muitas vezes estou sozinha e devo confessar que CAMINHO AMANDO A SOLIDÃO, PORÉM COM UM MEDO FILHO-DA-PUTA DE FICAR SOZINHA... (Não me desculparei pelo xingamento kk )porque, a diferença entre gostar da solidão e ter medo de ficar só, é digno do xingamento já que ter medo de ficar só impotencializa, saber que pode haver alguém que não me ame na inutilidade merece sim o xingamento...
Mas ainda com medo escolho deixar as rodinhas,cair, machucar sacudir a poeirinha, levantar mancando, sangrando ou seja lá como for e me arriscar de novo a sofrer novos tombos e ver mais pessoas indo embora e as verdadeiras permanecendo, prefiro me calar e demorar a voltar a correr, mas tento não abandonar as pessoas quando elas são "inúteis", permaneço quando quero correr, amo em meio a minha raiva,de se super protegida, de sentir-me invadida em minhas barreiras...
Quem ser fiel a alguém? PERMANEÇA QUANDO ELA NÃO MERECER, PROMESSAS SÃO VALIDADAS POR ATITUDES..