A Estrada Sou Eu...

Foto: PALAVRAS NUM BARCO A VELA(blogger)
“O caminho muda, e muda o caminhante é um caminho incerto, não um caminho errado. Eu, caminhante, quero o trajeto terminado mas, no caminho, mais importa o durante.
Deixei pegadas lá no vale da morte, um solo infértil aos meus muitos defeitos. Minha vida alargou-se em caminhos estreitos...
E eu vi você..  A Partida e o Norte.”
 Estevão Queiroga – Partida e o Norte

         Os  27 anos chegou, com algumas  certezas...
   Certeza de que hoje, sou mais forte do que imaginava e  menos do que ainda posso ser. Certeza de que sou muito amada, muito amada mesmo. Amada com falhas, com desfalques, com “desvios de  caráter” que só quem está perto pode ver, amada  apesar dos meus pecados de estimação, muito amada  com qualidades, com um amor leal, dedicado, um amor que decide voltar, que  decide ver com humanidade os humanos  que  me  cercam...
Acima disso porém,  há  uma  certeza infinitamente maior que as  já  declaradas. O amor de Deus me  basta, o olhar de Deus me alcança eu sou ainda uma criança que Deus guarda com prazer, em uma sala chamada graça, uma sala que é  totalmente Dele, mas que se  torna  familiar pra mim, onde eu posso estar, sem medo ou reserva....

        É nessa sala que eu entendo as certezas que hoje  tenho, nessa  sala eu descubro mais de mim na mesma medida que eu descubro mais sobre o dono dela, que ousadamente insisto em chamar de pai... Que outra coisa senão a graça torna-nos  capazes de  entender que verdadeiramente só damos aquilo que temos, e só  temos o que recebemos? Porém  o que  recebemos nos capacita para novas conquistas...

    Hoje eu entendo perfeitamente que eu amo porque fui inicialmente amada, eu sou dedicada pois alguém foi dedicado antes de  mim... Eu sou a extensão do amor de Deus... Sou o reflexo dele em mim... Sou o resultado da movimentação dele para fazer a terra girar me colocando dentro do meu presente e me encaminhando para meu futuro, usando as circunstâncias como molde, de um vaso em melhoria... EU SOU TRANSFORMADA PARA TRANSFORMAR..  Não trata-se de  ser produto do meio, trata-se  de escolher o que o fazer  com que o meio faz a mim...

         Vi meus  27 anos  ser celebrado, vi a importância da simplicidade, entendi  que o amor  habita no simples, o amor  habita na serenidade de quem entende que gratidão é ter gente  celebrando com simplicidade, a  oportunidade de  ter  vivido mais  um ano ao seu lado e a  esperança  de  viver mais um ano...  O amor é como as estações do tempo, constante mas  mutável..

    E é  a  mutabilidade de  tudo que a  graça envolve que  me fez entender que Jesus é  o caminho, mas  eu sou a estrada, Jesus é a  vida e eu sou um ser gozando  dela...

     Os  27 anos me  fez entender que esse processo  de ser  cuidada  e cuidadora é o que me  ajuda a entender em perfeição a  pessoa de Deus, quando me ocupo de um desses papéis, tenho a oportunidade de entender a realidade do cuidado e da graça  de Deus  habitando  na  minha  indigência, na minha culpa, na minha ausência de tantas coisas....

     Santo Agostinho dizia  que a graça  de  Deus nos antecede, assim só  podemos  ser  o que antes Ele  foi... Isso me  remete tanto a  semeadura, existem  tantas pessoas  por  aí  sendo o amor meio bosta e meia boca  na vida das pessoas, sem ao menos se importar com o fato de que Ele  é aquilo que ele doa, mas é nobre saber que até para nos reconhecermos pecadores precisamos  antes estarmos envoltos  na graça... A graça nos faz capazes de ver o outro como igual, ver  o outro no mesmo nivel que estou...

   Eu espero que os  27 anos que chegou a  pouco me  torne melhor, que eu seja a  minha melhor versão, para mim, para o outro, para quem escolhe olhar com humanidade a  minha humanidade, e que minhas falhas apenas torne claro que um dia dia de  cada vez  não anula a possibilidade da existência de dores, mas anula o medo de  chorar, leva para longe o receio de parecer frágil, a  necessidade de parecer fria. Espero ver ser  real as misericórdias do Senhor me cercando todos os  dias e  por todos os  lados. Porque eu sei...

  Eu sei que  haverá  dias em que me  esquecerei um pouco de quem eu sou, me  esquecerei que quem me antecedeu ainda é presente em mim e na minha vida, eu sei que  nesses dias, eu precisarei da  simplicidade dos  poucos amigos que  tenho, das pessoas que me amam apesar de quem eu possa vir a ser, precisarei do olhar humano vendo um tesouro em meio a  sujeira que acumulei, sei também que ainda há muitos dias para viver e só espero, vive-los sem muita expectativa para alimentar, só espero que em cada  dia desses  27 anos, eu saiba que essa graça que me envolve, precisa ser o plano de fundo de todos meus dias e instantes, para que cada vez mais eu seja vista como uma estrada com sinais claros da  existência e presença  de  Deus, que eu ame com a certeza que antes eu fui amada, que  eu perdoe por  inicialmente ter sido perdoada, e não  por ser  boazinha, que  eu perdoe pela  necessidade de ser  livre de mágoas a  medida que permito que o outro siga livre delas também,  que  eu seja  justa por antes ter tido o privilégio de  conhecer a  justiça e a retidão.

     Mas  para ser  bem sincera mesmo, espero que os  27 anos  me torne  mais grata pelas poucas coisas, pelos abraços recebidos e  entregues, pelo afeto que por vezes pode ser  sutil, espero com sinceridade relutar menos contra os  cuidados  que recebo, espero entender que não  preciso destruir os  sonhos  de ninguém para alcançar os meus, porque o mundo já tem gente demais  usando as palavras para destruir os  sonhos das outras pessoas, o mundo já tem gente demais que mata em nome de Cristo, olhando nos olhos de quem está  sendo ferido, o mundo ja está repleto de  pessoas que puxam o tapete  das  outras sem se  importar com o estado que aquela pessoa ira recostar a cabeça no travesseiro para dormir,  espero que a  doçura de  Jesus esteja implantada em mim, de forma que os  espinhos que  enfrento, seja  para o outros o choro que se cessa pela  manhã.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA PARA MINHA AMIGA

Preciso e mereço alguém que some e não suma

O maior vilão sou eu