Sobre a tola mania de achar que sabemos o que é melhor para o outro

Há quem diga que eu sou “grossa”, bruta ou ríspida, mas é convivendo comigo e com meu domínio próprio que descubro diariamente que  já sou um amor  de pessoa...

Hoje de manhã enquanto comprava meu café encontrei com alguém que me disse:
“ - Wanessa ouvi falar que  vai ter concurso da prefeitura pra sua área porque  não tenta é melhor que trabalhar onde você está...”

Eu olhei, sorri e disse  que  pensaria a respeito...

E estou pensando! Pensando em como temos a mania idiota de achar que sabemos o que é melhor  para o outro, com somos  rápidos em achar  falhas na vida do outro e de algum modo colocar uma  trave no olho para a nossa própria realidade. Sem saber os  motivos e razões para que o  outro esteja permanecendo onde  está...

Em outros tempos,  essa colega ouviria uma verdade daquelas  tipo: “Quando eu  estiver insatisfeita com meu trabalho eu te dou meu currículo para você espalhar” , mas  hoje... Hoje apenas  sorrio porque  palavras “idiotas” e gente "idiota" só merecem um sorriso e nada mais que isso...

Petulância a nossa achar  que  sabemos o que  o outro deve fazer, onde  trabalhar, quando se casar, com quem namorar, como namorar, quando ter filhos e quanto filhos ter, petulância a nossa achar que  os  tempos e as vivências deviam ser  iguais e orquestradas, que baita petulância fazer a linha do tempo de um indivíduo que não é nós mesmos...

Aos  19 namorar e entrar para a faculdade, aos  25 se formar, ter conhecido pelo menos 3 países além do seu, aos  27 casar, ter  no mínimo 5 anos  de  casamento antes de ter  filhos e por  falar em  filhos só dois está de  bom tamanho....

Afffff.... Que coisinha sem graça, que vidinha  medíocre...
Mas porque  fazemos isso? Será que o outro é tão retardado a ponto de não poder fazer suas  próprias escolhas? Será que ninguém pode mudar as ordens dos fatores sem alguém para ficar torrando? Será que  todo mundo tem que  deixar o trabalho que  está pagando as  contas, para o qual muitas vezes temos que nos arrastar, por  cansaço, por chefes inflexíveis que gritou contigo para  uma coisa que fizemos  errado, anulando mil e duas outras  coisas que foram acertadas, para ter um trabalho que te cause  borboletas no estômago?

Se assim for  acho que estamos dando o nome errado para o que coloca comida na  mesa... No lugar  de trabalho devia se  chamar  “parque de  diversões”.
 Sim meu  trabalho me  cansa, sim meus horários são inflexíveis, sim meus chefes são confusos muitas vezes e me  tiram do sério, sim eu perco muita  coisa que  posso me  arrepender futuramente, sim tem dias que eu não quero vir trabalhar, mas  existe um motivo pessoal no fato de  ainda  permanecer nele, como tudo ele tem pós e contras, tenho dias  terrivelmente corridos e outros de  dar pra cochilar  sentada, mas é a minha  escolha... É onde eu quero estar no momento, ou pelo menos em boa  parte dele...

E quando não for  mais assim, hora de procurar outras coisas...
Eu sinceramente acho o máximo quem consegue unir sua paixão ao seu ganha pão, quem consegue levantar cedo dançando porque vai trabalhar em algo que gosta, eu realmente admiro quem consegue  correr atrás do que  quer  independente de  como as  contas do mês serão pagas, eu verdadeiramente me intrigo com pessoas que  não trabalham mas  conseguem viajar  nas  duas férias do anos.

 Mas  essa é a realidade delas e não  a minha... E sem que alguém precise me  dizer que caminho tomar, até porque me  conhecendo é bem provável eu perder um bom salário por  algo relativamente menor que  isso, é bem provável eu escutar e analisar a opinião do outro  e mesmo assim não a  julgar adequada pra  mim...

Não tenho medo de  trabalhar pesado, não tenho medo de  fazer  horas extras muitas vezes não remuneradas, não tenho medo do não reconhecimento do outro para o que  eu faço, porque eu sei quem sou, sei quem está comigo, sei o que é quem são  verdades em minha vida, não preciso de  milhões na  conta se eles  servirem apenas  para pagar minha  psicóloga isso não terá sentido algum pra mim, pois enquanto muitos  vivem de  paixões eu decido enfrentar os perrengues que o amor  traz consigo...

O meu mundo não é cor de  rosa, não tenho só dias  felizes, na  verdade na  maioria das vezes minha alegria é triste, mas  de uma  coisa  tenho certeza, eu tenho o que  é quem preciso é eles são multicoloridos exatamente iguais ao meu astral, a minha  visão, meus desejos... E  encontrei eles  após muito voar, os  mantive apenas  por  ser  o que  precisavam, sem cobrança, sem promessas... E com esse meu jeito agridoce....

Então na  próxima vez que  formos  tentar dizer  o que  é melhor   para o outro que  nos recordermos que  Deus nos  deu só uma  vida pra não intrometermos na do outro....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA PARA MINHA AMIGA

O que sinto a cada amanhecer