Eu sinto sua falta mas, eu não te quero de volta.

Foto: Desconhecido
Eu sei que  está tarde, sim eu sei que é tarde  para  bater  na  sua porta  com um papel nas mãos, mas é que eu passei horas ensaiando o que queria dizer, então apenas me  escuta, não diz nada, não preciso que diga algo... Por favor escute!

Eu entendo que acabou, entendo que esse é o rumo da maioria das  coisas, e não me  arrependo de nada, nem mesmo do nosso fim... Algumas histórias nos marcam seja  pelo seu início, meio ou até mesmo seu fim, outras porém se tornam especiais  pelo conjunto  todo... E acho que esse é o nosso caso.

Eu seria injusta  em dizer que  nós não demos certo, porque demos certo sim, demos  certo demais, até  nossos interesses e prioridades  se tornarem parecidos  porém alcançados  por caminhos e  meios  diferentes... Era  como sentir a mesma  fome e precisarmos  de alimentos diferentes. Porém.... Porém, fomos imaturos  para lidarmos com isso para, fazer a  coisa toda durar... E foi aqui, exatamente nesse  ponto que  algo mudou...

O desejo de estar  perto, foi esmagado por  sua desconfiança, por um turbilhão de perguntas e  por minha  nenhuma vontade  de responde-las. E não estou falando que você é chato, esperando que me  chame de  estressada ou marrenta para  iniciarmos  uma inútil discussão sobre quem está  certo ou quem está errado... É que não sou mulher de fazer  joguinhos, para chamar atenção, sou extremos... Sou sim ou não, da mesma  forma que sou desconfiança ou entrega.

Eu disse, eu disse desde o início que eu não era a mulher adequada para as  expectativas que  você criava esperando que eu alimentasse, eu disse que não era o que você achava ver, eu disse que não era a mulher que  responderia a todas as  suas perguntas e não aceitaria sua mania de  controlar e estar em tudo, não sei ao certo dizer  o que  motivou o fim, mas  sei que sua  implicância com o tempo que eu dedicava aos  meus amigos e  sobrinhos foi o que  fez  tudo começar a  se arrastar, você reclamava  tempo, mas era  sempre tão limitado pra  mim.  Eu também te  avisei disso, te avisei que existe uma  gritante diferença entre quem é nossa família e com quem queremos compartilhar a  família...

Eu sei que  você  deve estar fazendo essa  cara aí, por achar que eu vim até  sua  porta para apontar  o que  deu errado, mas não... Eu vim aqui por que  hoje  senti falta de  você, sim eu senti uma  puta falta  do cara que  sabia me ouvir, que  me fazia  rir dos problemas, do  homem que com um abraço conseguia  me  acalmar por  dentro, eu senti falta de  quando você era calmaria  e eu um vulcão... Eu senti falta de  você em silêncio me  encarando até eu rir  e te  chamar de imbecil....

Na  verdade, eu tô aqui na  sua  porta, porque senti falta  até  da curva da estrada  antes de  chegar aqui, senti falta do seu cheiro de paz...Eu estou aqui falando feito uma  louca, com mãos e  voz  trêmula porque  eu senti tua falta.... Mas  antes que  dê um passo pra  me  abraçar, como ameaça  fazer quero deixar claro, que  eu sinto sua  falta, mas  eu não te quero de volta, e se me  perguntar  se é por  sermos  exatos  demais a  ponto de não nos dividirmos, terei que dizer que é o contrário, que por sermos exatos demais nós nos adicionamos de menos... E eu não saberia  conviver com isso, eu não saberia  conviver com o comodismo de uma  relação onde  nem as plantas que  cultivamos  crescem, lembra  que me   disse que quem fica parado é poste? Pois é, eu não saberia  conviver como um poste, não saberia conviver  sem olhar  pra  seus  desfalques e  ver ali algo que  eu ainda  via  potencial de melhora, e não, isso não é ter  expectativas, é entender  que  amadurecer e  mudar é parte  da vida...

Eu tô aqui, gaguejando na sua frente porque hoje é o dia que eu tanto temia, um dia  depois  de você  verdadeiramente entender  que acabou pra  gente, e eu sei que  me  pediu espaço pra aceitar o... Estou aqui porque hoje é um dia depois do fim de nós dois e sei que  parece exagerado achar que  é o fim, mas...  Solidão é até fácil de aceitar, mas saudade não, porque ela nos diz pra onde  queremos voltar, mesmo sabendo o quanto nos  custa...

Mas quem sabe daqui uns  60 anos  a vida nos  ponha de novo no mesmo tempo e espaço, quem sabe daqui 60 anos  a gente leve os netos  pra  brincar  em uma  praça, e a gente  se esbarre, com olhos   cansados  o bastante para nos reconhecermos, e  passemos adiante sem ao menos perceber, quem sabe nesse  dia  entendamos que  complicamos demais, quando na  verdade só precisávamos entender que pouco importava  os molhos diferentes das saladas,  ou o fato de eu não gostar de  salada... A gente  só precisava ter achado um jeito de saciarmos a fome....

Agora... Entre e feche a  porta atrás de mim, eu preciso me convencer de que meu orgulho  foi ferido o bastante para eu não voltar mais  aqui, para quando sentir tua  falta  de novo eu saiba  também os  motivos de  não voltar  pra  você...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CARTA PARA MINHA AMIGA

7 Dias de uma vida sem você