Se eu não tivesse medo...

Se você acha que  minhas escolhas são irritantemente responsáveis e prudentes deixe-me te contar o que você não está vendo nelas... Medo....

Medo de que as consequências me façam arrepender de uma forma com que meu maior desejo se torne minha pior decepção, de que ao me recordar de algo eu sinta raiva de mim e não dê aquela risadinha de canto de boca que nos faz pensar "ah se esta fase voltasse" ou "foi verdadeiramente bom e eu aproveitei ao máximo"... 

Então se posso escolher a forma com que quero me lembrar de algo lá do passado num possível futuro, escolho não odiar o que vivi até aqui.


Escolho te manter nas melhores lembranças, mesmo sem razão ou merecimento, pois suas atitudes não te colocam nas melhores lembranças, mas eu sim....
Você está lá sem pedestal, com mãos no bolso da frente de seu jeans rasgado, cabelo despenteado e aquele cheiro de quem acaba de sair do banho... 
Se teu frescor me inebria? Sim, mais do que todas as doses de vinho  que eu puder tomar.

Mas deixe- me te lembrar "senhor inconstante" de quem corro, deixe-me te mostrar o que tenho por trás de cada escolha pensada repensada e novamente pensada, e verá lá meu lado sujo por ti, ansiando como fera na espreita de sua presa, é de mim que tenho medo nunca foi de você...

Não é que não seja fácil me entregar de bandeja para você, pois acredite, é muito fácil, difícil é convencer minha intensividade a não esperar por um depois.
Difícil é convencer meu corpo, a se levantar, se vestir e ir embora sem nada esperar...

Nossos opostos me levam a prudência, a sofrida prudência de reprimir meus desejos, não sei ser meia, ou pego direito ou nem olho,se não faço direito não me arrisco, se não sei brincar não provoco...

Minha intensidade entrelaça dedos juntamente com corpos, ela olha nos olhos enquanto ama  seja por cima ou por baixo, ela se deixa ser dominada sem perder a vontade de dominar...

Quando a você, possui um arsenal de demais mulheres esperando o mesmo nada que você, mulheres se contentando com dia e horas contadas, com presença de hora marcada e limitada, mas sou um tipo quase raro de mulher como você bem disse. Feijão com arroz não me enjoa, mas não serei a mistura da refeição de outra, e quanto a sobremesas, aprendi bem cedo que ela só vem pra quem devora todo o prato....

Ah se eu não me desse tanto medo, ah se não fosse essa minha ânsia por mais, eu largaria mais vezes os afazeres por meros prazeres.
Teria você sem mapa ou bússola pra guiar  aceitaria me perder só pra descobrir por que tens tanta certeza de que não vou me arrepender...

Mas dá pra acreditar que sou o tipo desbravadora de territórios? Sou caçadora de tesouros, arqueóloga em busca de arrepios, e sendo eu assim, a fome por mais que um sexo animal me prende, a tudo que você não pode ser ou me dar...
Não sou o tipo que vai deixando devagar, para que se acostumem com minha ausência, simplesmente faço as malas e fecho as portas sem bilhete de adeus, diferentes de você não me canso das pessoas,  eu desisto delas quando elas passam a pouco me oferecer... 

Não é fácil, não é simples, é que não sou flores, tão pouco coração, sou pele, química envolvimento e entrega... Sou o que você precisa com a intensidade que você não quer ter.... 
Então entende agora as razões que me impedem de estar com você?

Então agora que já expliquei tudo, é melhor parar com essa mania de falar bobagens no pé do meu ouvido, isso só me causam rápidos arrepios, mas vontade nenhuma de me entregar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aprendendo com o Isaque, que daqui só se leva o amor...

CARTA PARA MINHA AMIGA

o Isaque nasceu!